domingo, 12 de janeiro de 2014

MARTINE E KAHENA GANHAM A COPA BRASIL DE VELA EM NITERÓI


Martine Grael e Kahena Kunze deram o bordo da praia, buscando as rajadinhas sopradas pelo público, e tiveram sucesso. Venceram a Medal Race e conquistaram o título da Copa Brasil de Vela, na classe 49erFX. Foto Axel Grael

Torben Grael, no bote, observa a performance da filha Martine Grael, que se encaminha para a boia de contravento. Foto Axel Grael.


Velejadoras se preparam agora para competir nos EUA. Scheidt é superado na regata final, mas assegura o título graças ao bom desempenho ao longo da semana

A Praia de São Francisco, em Niterói, foi o cenário para a Copa Brasil de Iatismo, encerrada neste sábado. Na classe 49erFX, Martine Grael e Kahena Kunze, líderes do ranking mundial, ficaram com o título. Neste domingo, viajam aos EUA, onde irão buscar o bi no Norte-Americano, a partir do dia 18, e na Copa do Mundo de Miami, a partir do dia 26.

— A regata hoje foi muito emocionante e exigiu muito do nosso preparo físico porque o vento foi bem inconstante. Ficamos muito próximos do público hoje e fizemos manobras bem pertinho dos banhistas, dava para escutar o narrador comentando a regata e foi legal para caramba, ainda mais com esse desfecho. A organização do evento está de parabéns porque é muito interessante ter esse contato com o público, muita gente talvez nem soubesse o que era o esporte e, quando saímos da água, começaram a comemorar e gritar Brasil. Foi muito bom — declarou Martine Grael.

Já Robert Scheidt levou mais um título na Laser, após o que chamou de semana inspirada. Com sete vitórias em nove regatas, o mais importante nome mundial dessa classe conquistou o título. O terceiro lugar na regata da medalha, neste sábado (11), foi suficiente para superar o inglês Nick Thompson, vice-campeão, e o catarinense Matheus Dellagnelo, medalha de bronze.

— Tive um desempenho bem consistente, foi um belo começo de ano — declarou Scheidt, que aproveitou a competição para testar o local onde a vela será disputada nos Jogos do Rio em 2016. — Velejamos a cada dia em uma área diferente, tivemos a oportunidade de experimentar todas as raias que serão utilizadas na Olimpíada, inclusive fora da Baía de Guanabara.

Segundo Scheidt, o vento demorou a entrar na raia, que se tornou mais difícil.

— O vento não estava firme, no início da regata, e eu comecei mal. Consegui me recuperar e terminei em terceiro. Não fiz nada excepcional, mas estou muito feliz por ter conquistado o título — explicou Scheidt, cujo próximo desafio será a etapa de Miami da Copa do Mundo. — Devo disputar algumas etapas da Copa do Mundo, neste ano, mas, da mesma forma como em 2013, não vou me preocupar com o ranking. Vou priorizar a qualidade na minha preparação. O foco é o evento-teste para a Olimpíada, em agosto, no Rio de Janeiro, e o Mundial da Federação Internacional (Isaf), em Santander, em novembro.

Ainda na classe Laser, o vencedor da regata da medalha foi o catarinense Matheus Dellagnelo, seguido pelo inglês Nick Thompson.

— O vento estava muito rondado e diminuiu muito na terceira perna. Consegui segurar os outros velejadores e fazer uma regata perfeita. Regata da medalha tem dessas coisas — disse Matheus, comemorando a vitória sobre Scheidt. — É sempre bom ganhar dele. Ele dominou a semana inteira, hoje foi a minha vez.

Na 49er, os ingleses Dylan Fletcher e Alain Sign foram os vencedores, e na Finn, o inglês Giles Scott, que superou o brasileiro Jorge Zariff, atual campeão mundial e melhor atleta do país no ano, em eleição do Comitê Olímpico Brasileiro (COB). Os franceses Bouvet Sofian e Mion Jeremie brilharam na 470. Ricardo Winicki, o Bimba, e Patrícia Seixas foram campeões masculino e feminina da RS:X. Na Laser Radial, a holandesa Marit Bowmeester subiu ao topo do pódio dessa classe. Na Nacra 17, vitória do casal Clinio Freitas e Cacau Swan tanto na regata da medalha quanto no acumulado do campeonato.

As regatas foram realizadas próximas ao público, contou com a presença de brasileiros e estrangeiros que buscam as vagas para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. Nos outros dias as regatas foram disputadas nas futuras raias dos Jogos, dentro e fora da baía de Guanabara. Neste sábado, porém, as finais foram feitas na enseada de São Francisco, bem próximas ao público. E quem esteve presente pôde ver de perto grandes nomes do iatismo mundial como Robert Scheidt, Bruno Prada e a inglesa Marit Bowmeester, medalhista de prata na classe Laser Radial em Londres. As largadas das primeiras regatas foram dadas depois das 15h, com o vento fraco.

Na Laser Radial, pódio 100% internacional. A holandesa Marit Bowmeester, sétima colocada na regata da medalha, garantiu o título da competição, seguida pela inglesa Erika Reineke e pela americana Hannah Snellgrove. Fernanda Decnop, de Niterói, foi a primeira brasileira na classificação e comemora o bom resultado do dia:

— Eu larguei em primeiro e optei por administrar a regata. Tinha que marcar algumas velejadoras para garantir o quarto lugar geral, então outras acabaram me passando. No final, terminei em terceiro, bem pertinho da segunda.

Beijo da vitória. Clinio de Freitas (medalhista olímpico com Lars Grael, na Classe Tornado) e Cacau Swan comemoram a vitória na Classe Nacra 17. Foto Betina Sasse.

Na Nacra 17, vitória do casal Clinio Freitas e Cacau Swan tanto na regata da medalha quanto no acumulado do campeonato.

— O vento estava completamente maluco e nós demos sorte em pegar as rajadas certas — disse ela, que participou dos Jogos Olímpicos de Barcelona, em 1992.

Na classe 470, em que homens e mulheres excepcionalmente correram juntos, a vitória foi dos franceses Sofian Bouvet e Jeremie Mion. Eles ficaram em quartos lugar na regata da medalha, abrindo três pontos sobre os argentinos Maria Fernanda Sesto e Juan de La Fuente. Henrique Haddad e Bruno Bethlem foram os primeiros brasileiros, na terceira colocação geral e segundo lugar na regata da medalha.

— Ficamos muito contentes e surpresos com o resultado, das nove regatas nós só perdemos duas para os brasileiros. Estávamos ansiosos no começo e agora chegaremos mais tranquilos na nossa próxima competição, em Miami, daqui duas semanas. Este resultado foi importante, pois de agora em diante contaremos não só com o apoio da Marinha do Brasil, como também com o da CBVela — disse Haddad.

Na Finn, mais um pódio internacional. Os ingleses dominaram a classe com Giles Scott em primeiro, Andrew Mills em segundo e Mark Andrews em terceiro. Jorginho Zarif, atual campeão mundial da classe, foi o primeiro brasileiro, na quarta colocação, a apenas dois pontos do pódio.

Entre os RS:X, Patrícia Freitas já havia garantido a vitória por antecipação, na sexta-feira, último dia da fase classificatória. Ricardo ‘Bimba’ Winicki também conquistou o título, invicto, após a disputa da regata da medalha.

— Achei que fosse ganhar, mas não invicto. Fiquei bastante contente com o resultado e é sempre bom treinar e competir aqui na baía de Guanabara — disse ele.

Fonte: O Globo

Um comentário:

  1. Muito legal o evento, são esses tipos de evento incentivando o esporte que niteroi esta precisando, eu acho que niteroi tb podia investir em shows e trazer u
    alguns artistas internacionais pra fazerem shows aqui e assim atrair o publico das cidades vizinhas...

    ResponderExcluir

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael.