sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Líderes da União Europeia fecham acordo para reduzir emissões em pelo menos 40% até 2030


Fumaça sai de usina térmica a carvão na Alemanha: acordo inclui busca de fontes de enegia menos poluentes - Wolfgang von Brauchitsch / Bloomberg News

Bloco é o primeiro grande poluidor a chegar a uma decisão antes da reunião da ONU que discutirá o tema em 2015

por

BRUXELAS - Os 28 líderes da União Europeia fecharam acordo nesta sexta-feira em metas de proteção ao meio ambiente e de geração de energia mais verde, apesar das profundas divisões entre as nações. O ponto principal que foi uma promessa de reduzir até 2030 as emissões em pelo menos 40%, frente aos níveis de 1990.

A União Europeia é o primeiro grande emissor mundial a firmar posição antes da reunião da ONU para discutir as mudanças climáticas em Paris, no fim de 2015. A chanceler alemã Angela Merkel disse em uma entrevista coletiva no início da manhã que o acordo garante que a Europa seja um “importante player” em futuros acordos internacionais sobre o clima.

Herman Van Rompuy, presidente do Conselho Europeu, que representa os líderes da União Europeia, escreveu em seu Twitter: “Custo-benefício mais ambicioso do mundo”.

As esperanças estão crescendo na Europa — como eram há cinco anos, antes de a conferência climática da ONU em Copenhague fracassar — para um acordo global em Paris que obrigaria outras partes do mundo, como a China e os Estados Unidos, a fazer mais para ajudar a limitar a o aquecimento do planeta a menos de 2 graus Celsius.

Enquanto a maioria dos países da União Europeia concordam em diminuir a sua dependência energética de países como a Rússia, a cooperação é difícil por causa dos fortes conflitos nas escolhas energéticas.

CRISE DIMINUIU ENTUSIASMO COM O TEMA


Angela Merkel fala com jornalistas no segundo dia do encontro de líderes - Yves Logghe / AP

A promessa de reduzir as emissões em 40% viria com metas obrigatórias para cada um dos países-membros do bloco. A UE também estabeleceu uma meta de gerar pelo menos 27% de sua energia de fontes renováveis​​. Mas um outro objetivo separado para melhorar a eficiência energética em pelo menos 27% é tratado apenas como um “indicativo”, o que significa que não é obrigatório.

Limitar as emissões que contribuem para a mudança climática tem sido uma causa popular na Europa. Os políticos frequentemente divulgam como seus países emitem níveis de gases de efeito estufa mais baixos do que os Estados Unidos e outras nações industrializadas. Mas não há o mesmo entusiasmo na Europa a abraçar a agenda verde como havia há cinco anos, antes de a conferência de Copenhague terminar em fracasso.

A crise econômica prolongada na Europa tem reduzido os financiamentos para projetos verdes. Além disso, o crescimento de tecnologias para explorar o gás de xisto, que é mais barato, prejudicou as perspectivas de algumas alternativas renováveis.

Fonte: O Globo


------------------------------------------------

SAIBA MAIS SOBRE AS NEGOCIAÇÕES DO CLIMA:

Postagens sobre Mudanças Climáticas no Blog do Axel Grael

Rãs podem ajudar cientistas a compreender o aquecimento global
Presidente da Sabesp admite que água em SP pode acabar em meados de novembro
Desastres e condições climáticas severas forçam paises a se adaptar
‘O petróleo não é passaporte para o futuro’, diz o engenheiro florestal Tasso Azevedo
O que os presidenciáveis propõem (e o que não propõem) para enfrentar as mudanças climáticas
US east coast cities face frequent flooding due to climate change
ONU: Impacto econômico da mudança climática pode custar 2,5% do PIB da América Latina e Caribe
Projeto avalia os impactos de mudanças climáticas nos manguezais fluminenses
Os impactos das mudanças climáticas na economia brasileira
Atlas digital traz cenários climáticos futuros para o Brasil
Mudança do clima e ação humana alteram litoral no Brasil
Projeto avalia os impactos de mudanças climáticas nos manguezais fluminenses
A cidade sustentável e o clima
Brasil deve esquentar pelo menos 3°C até 2100




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael.