quinta-feira, 12 de março de 2015

Lars Grael quer mudar política de doping




Presidente da Comissão Nacional de Atletas acha que treinadores, médicos e confederações também precisam responder por casos de doping

por Victor Costa

Antes mesmo de ser nomeado Ministro do Esporte em dezembro passado, George Hilton já articulava seu mandato. Ele ligou para Lars Grael, que estava em uma competição de iatismo em Miami, e deixou claro que queria ter um canal aberto com as principais referências esportivas do país. A ligação surpreendeu Lars, que é um crítico contumaz da gestão esportiva brasileira. No fim de janeiro, o velejador medalhista olímpico assumiu a convite de George a presidência da Comissão Nacional de Atletas, que é ligada ao Conselho Nacional do Esporte (CNE). Apesar de ser um importante canal com os atletas, a comissão estava desativada. Um dos primeiros passos de sua gestão na comissão será promover uma grande discussão sobre o doping.

- Hoje, quando um atleta é flagrado no doping a punição vai só para ele. Claro que existem casos e casos. Mas quem vive no esporte sabe que não é bem assim. Existe todo um sistema. E treinadores, médicos, fisioterapeutas, dirigentes, confederações também precisam responder por um caso de doping. Além disso, é preciso ser muito técnico para saber quais são as substâncias proibidas. E muitos dos remédios mais populares contém substâncias proibidas para atletas. Portanto, tenho a ideia de criar um selo junto ao Ministério da Saúde para indicar na farmácia quais são os remédios que levam essas substâncias. Assim o atleta teria uma segurança maior sobre o que consome - disse Lars.

Apesar da intenção, ele ainda não entrou em contato com a Agência Brasileira de Controle de Doping (ABCD). Lars também faz parte do grupo Atletas pelo Brasil, que tomou a iniciativa para a inclusão do artigo 18-A na Lei Pelé, que entrou em vigor no ano passado. Uma das medidas mais comentadas deste artigo é a limitação de quatro anos para o mandato de presidentes de instituições esportivas com direito a uma única reeleição.

- A gente sabe que no Brasil existe a lei que "pega" e a que "não pega". Como presidente desta comissão vou trabalhar para que se faça valer a lei - comentou Lars.

Durante sua apresentação em um seminário sobre patrocínio esportivo, promovido pela rede Sou Esporte, nesta quinta-feira, na Barra da Tijuca, Lars usou um conto de fadas para mostrar sua preocupação com o legado das Olimpíadas do Rio. Lars teme que o esporte no país vire uma Cinderela em 2016 e que após a Cerimônia de Encerramento do megaevento transforme-se em uma gata borralheira.

- Existe uma grande preocupação em construir instalações esportivas. Obras dão dinheiro e voto. Mas ninguém se preocupa com a manutenção. E isso exige um custo. Temos que nos preocupar com o "day after" - afirma ele.

Apesar do temor pós-olimpíadas, Lars não mostra um pessimismo em relação a continuidade do programa de despoluição da Baía de Guanabara após a Rio-2016. Durante a visita do Comitê Olímpico Internacional no fim de fevereiro, o governador Pezão começou um discurso de que será muito difícil cumprir a meta de despoluir 80% da baía.

- É claro que a meta não será atingida até 2016. Quem treina lá todos os dias vê que a evolução é muito lenta. Mas acredito que a despoluição vai continuar após a Rio-2016. Temos muito interesse envolvidos: saúde, pesca, turismo. Portanto, os poderes públicos não podem deixar esse programa de despoluição de lado.

Fonte: O Globo






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael.