quinta-feira, 23 de abril de 2015

Parques estaduais oferecem variedade de atrações


Parque Estadual da Serra da Tiririca é uma das opções de lazer junto à Natureza. Foto: André Redlich


Opções de lazer para fins de semana e feriados, parques em todos os pontos do Estado oferecem praias, trilhas e outras atividades para quem gosta de curtir a natureza

Os parques estaduais oferecem uma grande variedade de atrações para quem gosta de curtir a natureza durante os finais de semana e feriados. São áreas com praias, trilhas, cachoeiras, sítios arquitetônicos e arqueológicos que podem ser encontrados em todos os pontos do Estado, e os visitantes contam com orientação e apoio dos guarda-parques do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), além do apoio das Unidades de Policiamento Ambiental (Upam).

Para a conduta consciente em unidades de conservação, os visitantes devem adotar uma série de cuidados e sempre procurar informação nos Centros de Visitantes situados nas sedes dos parques. A caminhada deve ser feita somente nas trilhas, evitando atalhos que são perigosos e degradam o ambiente. Levar materiais de primeiros socorros e informar imediatamente em caso de acidente são outras condutas recomendadas.

Durante os passeios, também se deve deixar cada coisa em seu lugar e não riscar pedras ou troncos de árvores, além de observar os animais à distância, sem alimentá-los. Outras recomendações são não fazer fogueiras e levar todo o lixo produzido até um ponto de coleta.

Confira a seguir as principais atrações dos parques estaduais com maior volume de visitação do Estado:

Parque Estadual da Serra da Tiririca – Localizado no limite entre Niterói e Maricá, com 3,4 mil hectares, tem várias áreas importantes para o lazer da comunidade, como o entorno da Laguna de Itaipu. Entre os pontos mais visitados estão os mirantes, como o de Itaipuaçu, que pode ser acessado por carro, com uma bela visão da Praia de Itaipuaçu e da baixada litorânea de Maricá. O Mirante do Alto Mourão, após uma caminhada de 1,7 mil metros, permite apreciar as praias litorâneas de Niterói, as lagoas de Itaipu e Piratininga e o Rio de Janeiro, do outro lado da Baía.

Quem preferir um pouco mais de esforço físico pode optar pela trilha da Pedra do Elefante, o ponto mais alto de Niterói, com 412 metros, que também é bastante utilizada por montanhistas para escalada e rapel. Nos limites do parque também existe o Caminho de Darwin, com cerca de dois quilômetros, um trajeto em meio à vegetação de Mata Atlântica percorrido pelo naturalista Charles Darwin em 1812.

Parque Estadual da Costa do Sol – Com sede em Cabo Frio e 9,8 mil hectares, é dividido em setores e abrange também áreas de Araruama, Búzios, Arraial do Cabo, Saquarema e São Pedro da Aldeia. Outras atrações são a Ilha do Japonês em Cabo Frio; as prainhas do Atalaia e as praias do Pneu, em Arraial do Cabo; Azeda e Azedinha e do Forno, em Búzios; e a Serra de Sapiatiba, em São Pedro da Aldeia.

Parque Estadual da Ilha Grande – Entre as áreas mais visitadas estão as praias de Lopes Mendes e Santo Antonio, nas quais também é feita a fiscalização da pesca subaquática – é proibido pescar com qualquer tipo de rede e arpão nas áreas costeiras.

Há dezenas de mirantes com cenários deslumbrantes de floresta e mar e ao longo do caminho os visitantes passam por rios e córregos com leitos de pedra e águas límpidas que formam cachoeiras. Entre elas estão a piscina natural do córrego do Abraão, e as cachoeiras da Mãe D´Água (Dois Rios), da Parnaioca e da Feiticeira, além do Poço do Soldado.

A ilha, que já abrigou dois presídios e um lazareto (local onde os passageiros de viagens marítimas com suspeita de cólera permaneciam em quarentena antes de entrar no país), também possui sítios arqueológicos importantes, como as pedras com marcas onde os habitantes pré-históricos afiavam seus instrumentos. Um aqueduto, ruínas de fazendas, um farol e trilha com calçamento feito por escravos fazem parte do conjunto de atrações da unidade.

Parque Estadual do Desengano (PED) – Com 22,4 mil hectares de área, é a mais antiga Unidade de Conservação estadual, e tem sede na cidade serrana de Santa Maria Madalena, na região centro-norte do Estado, com acesso tanto pela BR-116 como pela BR-101. Junto à sede, que conta com área de lazer e de exposições, está o Horto Florestal Central Santos Lima, no qual os visitantes podem adquirir mudas de espécies nativas da Mata Atlântica.

O principal destaque do Parque Estadual do Desengano são as trilhas. Vale conhecer a Cachoeira da Cascata e Poço do Padre, ambas na região da Morumbeca dos Marreiros, Santa Maria Madalena; Cachoeira Bonita e Roncador, na região de Babilônia, Sossego do Imbé, divisa de Campos dos Goytacazes e Santa Maria Madalena.

Parque Estadual dos Três Picos – O maior do Estado, tem área de 65 mil hectares e está situado na Região Serrana. Para os visitantes ocasionais, uma boa opção é o Centro de Visitantes, em Cachoeiras de Macacu, que conta com exposição e um jequitibá milenar, e o Vale da Revolta, em Teresópolis, com banho de rio e caminhadas.

Entre Nova Friburgo e Teresópolis encontram-se as montanhas mais conhecidas, além dos Três Picos (o ponto culminante da Serra do Mar, com 2.316 metros), como o Capacete, o Morro dos Cabritos, a Pedra D´Anta e formações menores, com formas curiosas, como os Dois Bicos do Vale das Sebastianas e a Caixa de Fósforos.

Nas trilhas que percorrem trechos de Cachoeiras de Macacu, há dezenas de quedas d´água, entre as quais se destacam as cachoeiras da Barba, do Tenebroso, do Chapadão e a da Furna da Onça.

Parque Estadual da Pedra Branca – Maior floresta urbana do mundo, com 12,3 mil hectares, o Parque Estadual da Pedra Branca, na Zona Oeste do Rio, atrai visitantes pela grande variedade de trilhas, com graus variados de dificuldade e belas paisagens.

Na sede da unidade, no Pau da Fome, em Jacarepaguá, são cinco trilhas e três travessias, entre as quais a Trilha da Pedra Branca, com sete quilômetros, que leva ao Pico da Pedra Branca, que, com 1.025 metros de altitude, é o ponto culminante da cidade.

Fonte: O Fluminense 







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael.