sábado, 4 de fevereiro de 2017

PRO-SUSTENTÁVEL: Niterói prioriza projetos sustentáveis para a Região Oceânica


 

Hoje, visitantes precisam utilizar uma trilha que dificulta o acesso para idosos e pessoas com mobilidade reduzida. Foto: Evelen Gouvêa

 

Local deve ganhar, ainda em 2017, uma trilha suspensa e outras melhorias nas proximidades

O ano de 2017 será dedicado à contratação de projetos, licitações e aprovação de editais para execução de projetos na Região Oceânica de Niterói. Iniciativas como a renaturalização do Rio Jacaré devem ficar para 2018, que, segundo a Secretaria Executiva Municipal, “será para tirar os projetos do papel, para execução”. Para esse ano, está planejado o início de obras de pavimentação e drenagem nas ruas, implantação das trilhas suspensas da Praia do Sossego, e implantação de ciclovias.

As obras nos acessos à Praia do Sossego, aguardadas desde 2015, começam em 2017. O projeto para o local prevê a construção de duas trilhas suspensas do nível do solo, dois mirantes e uma base ambiental definitiva para orientação, informações turísticas e fiscalização.

As ciclovias da região também começam a ser implantadas esse ano. O sistema cicloviário que será implantado fica no entorno das lagoas de Piratininga e Itaipu e promete articulação com o novo sistema viário.

Iniciativas integrantes do programa Região Oceânica Sustentável (PRO-Sustentável) devem começar a tomar forma. De acordo com o secretário executivo, Axel Grael, o objetivo é que a Região Oceânica toda seja pavimentada, inclusive em ruas no entorno da Lagoa de Itaipu. A ideia é que a medida contribua para reduzir o assoreamento por sedimentos carreados pelos rios e drenagens de águas pluviais no sistema lagunar Itaipu/Piratininga. “Vamos contratar a parte de projeto, que é quando teremos o cronograma para sabermos em que ruas vamos começar. A primeira licitação é para pavimentação e drenagem. Isso vai melhorar muito o problema de assoreamento”, apontou.

As obras de implantação do Centro de Referência de Sustentabilidade Urbana, no Jacaré, devem ficar para 2018. O projeto inclui um centro de ecoturismo e unidade demonstrativa de soluções de arquitetura sustentável, juntamente com atividades de educação ambiental. A renaturalização do Rio Jacaré também não deve avançar esse ano. O projeto conta com a reconstituição do seu leito maior, a remoção de edificações, eliminação dos focos de poluição e reflorestamento das Áreas de Preservação Permanentes-APPs.

Fonte: O Fluminense



 ---------------------------------------------------------------


LEIA TAMBÉM:

Pro-Sustentável

PRO-SUSTENTÁVEL: Missão de banco internacional dá início ao Programa Região Oceânica Sustentável
PRO-SUSTENTÁVEL: Ciclovia ligará Itacoatiara a Charitas, via lagoas oceânicas
PRO-SUSTENTÁVEL: Região Oceânica tem garantidos R$ 350 milhões para sustentabilidade e melhorias de infraestrutura

Sistema Lagunar

LAGOA DE ITAIPU: preocupação com o assoreamento
SISTEMA LAGUNAR PIRATININGA-ITAIPU: Revitalização das lagoas de Niterói será liderada pelo município 
PIRATININGA E ITAIPU - Gestão integrada para salvar lagoas de Niterói







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael.