quinta-feira, 17 de agosto de 2017

CAPACIDADE DE SUPORTE: Multidão de visitantes nos parques americanos desafia gestores



COMENTÁRIO DE AXEL GRAEL: O número de visitantes nos parques nacionais americanos bateu um novo recorde em 2016: 325 milhões de visitantes. O recorde anterior havia sido em 2015, com 307 milhões de visitantes. Os números ultrapassam em muito a população total brasileira: 202 milhões de pessoas.

Dados preliminares, que ainda não consideram os visitantes de dezembro de 2016, expressam a seguinte procura:
  • Grand Canyon: 5,9 milhões de visitantes.
  • Yellowstone: 4,3 milhões de visitantes.
  • Rocky Mountains: 4,5 milhões (já computa dezembro) 
  • Zion: 4,3 milhões de visitantes, quase o dobro da procura de 2010.

Os dados são do governo americano e mostram a importância que os parques têm para o cotidiano do povo americano, para o turismo e para a economia. Segundo algumas fontes, parques representam 3% do PIB daquele país.

Segundo o Serviço de Parques Nacionais, o motivo para o grande público foi uma campanha para atrair os visitantes em comemoração ao centenário do órgão. A campanha ofereceu entrada gratuita para estudantes e seus familiares. O baixo preço do combustível naquele país também contribuiu. É bom lembrar que o modelo dos parques americanos é para a visitação por automóveis. Os parques contam com extensas redes de estradas, estacionamentos e até postos de gasolina e outros serviços para os motoristas.

Mas, o texto também chama a atenção para a reflexão que se faz hoje sobre a capacidade de suporte dos parques para receber um número tão elevado de visitantes e para a qualidade da experiência dos visitantes, que vão ao parque na expectativa de ter uma experiência bucólica e natural e acabam encontrando uma "Disneylândia" ("Disneyland-like situation"). Muitos visitantes expressam frustração com o que encontram nos parques.

Eu mesmo, me surpreendi ao pegar engarrafamentos nos parques nacionais do Yellowstone e nas Montanhas Rochosas. Tudo bem que neste último parque o motivo foi uma manada de búfalos que decidiu deitar numa estrada (os visitantes são proibidos de buzinar ou fazer qualquer coisas que incomode a fauna. O jeito foi esperar a chegada dos guarda-parques). Mas, no Yellowstone, o motivo foi o excesso de automóveis mesmo.

A reflexão é importante para o Brasil, que até hoje não deu a devida importância para o potencial da sua rede de áreas protegidas no Brasil e no momento em que muitos municípios, como Niterói, assumem um maior protagonismo nas estratégias de conservação e de gerenciamento das suas áreas verdes.

Axel Grael
Secretário Executivo
Prefeitura de Niterói



------------------------------------------------------------



How A Surge in Visitors Is Overwhelming America’s National Parks

Visitors wait to enter Yellowstone National Park in June 2017. Jacob W Frank/NPS


The growing crowds at U.S. National Parks have become unmanageable, jeopardizing the natural experience the parks were created to provide. With attendance this summer continuing to shatter records, officials are considering limiting use of the parks in order to save them.

By Jim Robbins • July 31, 2017

Zion National Park in southwestern Utah is the poster child for the crowding of America’s most hallowed natural places. With its soaring and magisterial red, dun, and white rock cliffs with grand names such as the Court of the Patriarchs and the Temple of Sinawava, Zion is at the top of the list of the nation’s most dramatic scenery.

It is also small as parks go, just under 150,000 acres and has only one main road, six miles long. Yet Zion gets as many visitors as Yellowstone, more than 4.3 million a year, even though Yellowstone is nearly fifteen times larger.

“In the last few years, this huge uptick in visitation has overwhelmed our infrastructure facilities, our trails, our backcountry, it goes on and on and on,” said John Marciano, a spokesman for Zion. “We can’t sit on our hands anymore. We have to come up with some kind of management plan to be able to preserve resources and to make sure our visitors have a good and safe experience.”

Saving a landscape as a national park is only part of the preservation battle – saving the spirit of these places is also essential. National parks are often thought of as America’s natural cathedrals – serene, contemplative places to visit and be restored by a connection to wild nature and grandeur.


Hikers wade through the Narrows, one of the most popular hikes in Zion National Park, in July 2017. Edna Winti/Flickr


That is impossible in the front country of Zion – and many other national parks – these days. Veteran park administrators are aghast at the “greenlock ” – gridlock in natural surroundings – in marquee national parks like Yosemite, Yellowstone, Grand Canyon, Great Smoky Mountains, and a host of other crown jewels.

Yellowstone, for example, has gone from 2 million visitors in 1980 to more than 4 million last year and is likely to climb higher. There were 2.3 million visitors to the Grand Canyon in 1980. In 2015, attendance broke the 5 million mark. A year later, it broke the 6 million barrier. Glacier, Yosemite, Great Smoky Mountains, Acadia, Rocky Mountain are all smashing records and are overwhelmed with humanity, losing the very thing they were created to provide – a sense of peak naturalness. Managers are concerned that this is the new normal and may get worse.

“Visitors are losing in this mix of 5 and 6 million people trying to cram into places that are busy when it’s 2 or 3 million,” said Joan Anzelmo, a retired Park Service superintendent who lives near Grand Teton National Park in Wyoming and is active as a volunteer in efforts to mitigate the impacts of visitation outside Grand Teton and Yellowstone. “These are irreplaceable resources. We have to protect them by putting some strategic limits on numbers, or there won’t be anything left. Nobody will want to visit them. Everyone I know who lives, works, and is involved in these issues says something has to be done, it can’t go on like this anymore.”


"This crowding of the parks comes at an uncertain time, as President Trump has proposed cutting the Park Service budget by 13 percent".



If these were not national parks, the solution would be to keep building more infrastructure. But the National Park Service has a dual mandate from Congress: to “provide for the enjoyment in such manner and by such means as will leave them unimpaired for the enjoyment of future generations.” Wider roads and more hotels and campgrounds would only create sprawl, diminish the experience of nature, and encourage yet more people to come.

This crowding comes at an uncertain time for the parks. President Trump has proposed cutting the Park Service budget by 13 percent (which would be the largest cut to the agency since World War II), and there is already a backlog of staffing and maintenance issues. And there is concern that the Trump Administration might move to make the parks even more friendly to commercial interests that would look bring in more visitors and more development.

The visitor crush is creating two main problems – a steep decline in the quality of visitor experience that a national park is supposed to provide, and damaging impacts on the ecology of these intact natural places.

Zion provides a microcosm of Park Service problems – and perhaps the beginning of a solution. Zion was one of the first parks to deal with the overwhelming crowds by closing the park to traffic and instituting a shuttle bus system in 2000. But the soaring attendance – since then the number of visitors has grown from 2.4 to 4.3 million – has swamped that effort.





The park now swarms with tens of thousands of people each day, and the season lasts almost all year, instead of 8 or 9 months as previously. Flocks of tour buses pour in from Los Angeles and Las Vegas. Instead of coming to get a sense of nature transcendent, people wait an hour or two in traffic just to get through the park gates, and day hikers jostle with hundreds of other people on one-lane trails eroded by overuse. Trash bins can’t be emptied fast enough and overflow onto the ground. Wild desert waterfalls at the end of a three- or four-mile trail feel less like a red rock cathedral and more like a crowded beach. Lines of vehicles to get a first-come, first-served camping spot start forming at 4:30 or 5 a.m., and many come away empty-handed. Amusement-park-style lines form to get on the shuttle and into restrooms.

In addition to a decline in visitor experience, there is an impact on park ecology. The legendary hike up the Virgin River Narrows, a red rock, steep-walled canyon, is the premier hike in the park. Now hundreds of people a day splash and wade their way up the riverbed into the half-light of the canyon.

All of these feet trample vegetation, aquatic insects, and fish habitat. And there are other problems. “Imagine how bad the human waste issue is in the Narrows when there’s swarms of people like that,” said Zion’s Marciano. “There’s only so many little private areas where you can peel off. Everyone goes in the same place. Human waste is not only a problem in the narrows, it’s everywhere in the front country.”

Ecological problems from the hordes of people abound in many parks. In Yellowstone, for example, a growing number of visitors are walking off boardwalks, making their own trails, throwing stuff into hot springs, or driving off roads and trampling fragile natural areas. Hundreds of people crowd wildlife along the roads, and some animals lose their fear of humans and need to be moved. Wildlife is also displaced by the numbers of people on the trails. And in many areas of the parks, the roar of traffic drowns out the subtle sounds of nature.

Why the boom in visits to national parks? Baby boomers are retiring in droves – every day 7,000 to 10,000 people turn 65 and travel is high on their list. The threat of terrorism in Europe has also kept many people in the United States, experts say.


A crowd waits to ascend the Half Dome in Yosemite National Park. Brian Hughes/SummitPost.


Many point to unbridled promotion by states where the parks are located. At Zion, many people cite an international promotion by the Utah Office of Tourism called The Road to Mighty, an advertising campaign that urges a visit to the Mighty Five parks spread across southern Utah: Zion, Arches, Canyonlands, Bryce, and Capitol Reef. The campaign shows people hiking, biking and driving through sculptural red rock formations, as soaring music plays. “It’s been wildly successful,” Vicki Varela, director of the Utah Office of Tourism told High Country News. “In Europe, the Mighty Five is now on everyone’s bucket list.”

And bucket lists elsewhere. It’s not uncommon to hear Japanese, Chinese, German, French, and other languages around the breakfast tables at the large new hotels built in rural Utah.

Social media too shoulders some of the blame for overcrowding. “People come to the park, take a crazy selfie with a beautiful backdrop, put it on social media, and then their 100 friends want to go there and do the same thing,” Marciano says. “It cascades.”

An irony not lost on many is the effort by the Utah congressional delegation to undo protection for public lands in the state. Both Grand Staircase-Escalante and Bears Ears national monuments are reviled by Sen. Orrin Hatch and others Utah Republican politicians, and Interior Secretary Ryan Zinke is currently reviewing the status of these monuments to see if they can be rescinded or shrunk.


"At Zion, managers are considering requiring a reservation to get into the park and a reservation to go on some of the most prized hikes".



Many parks are designed to withstand and mitigate the impacts of large numbers of people, says Jeffrey Marion, a recreation ecologist at Virginia Tech, but at a certain point the crowds can no longer be managed. “When you bring people in by the busload, parks have few tools to deal with masses like that other than limiting use. You hate to see them do that, but I think it’s inevitable.”

Is that the answer? Zion is the first park to consider such a solution. Officials there are beginning a series of public meetings aimed at creating a new visitor use management plan. Two of the proposed solutions are requiring a reservation to get into the park and a reservation to go on some of the most prized hikes. A decision is expected in 2018.

Few like the idea, but experts say the time has come. “Parks have been commanded by the Congress to accommodate people and to preserve and protect these places,” said Marion. “It’s a huge management paradox.”

In the end, Marion says, “they have to limit use. We think these parks can handle an infinite number of people, and they can’t.”


Fonte: e360.Yale




------------------------------------------------------------------------


LEIA TAMBÉM:


Capacidade de Suporte


PRO-SUSTENTÁVEL: Prefeitura de Niterói está implantando a maior trilha da cidade no PARNIT
PARQUES DE NITERÓI: Desafios para unidades de conservação no contexto metropolitano
PARQUES, CULTURA E ECOTURISMO EM NITERÓI: Duna Grande, em Itaipu, terá passeios guiados em 2017

EDUCAÇÃO ATÉ EMBAIXO D'ÁGUA: grupo da UERJ propõe trilha subaquática em Niterói
TURISMO E LAZER EM NITERÓI: Parque da Cidade aberto até 19h
MAIS PROTEÇÃO AMBIENTAL EM NITERÓI: Lei torna ilhas oceânicas de Niterói parte de Parque Estadual
PARQUE ESTADUAL DA SERRA DA TIRIRICA: Enseada do Bananal com novas regras
NITERÓI MAIS VERDE: Obra do Parque das Águas, em Niterói, segue avançando
NITERÓI MAIS VERDE - Visita ao Morro do Castro, no Barreto, para planejar a implantação de áreas protegidas na Zona Norte da cidade
PARNIT: Parque da Cidade de Niterói tem trilhas revitalizadas com tótens e sinalização
Definido calendário de trilhas guiadas e voluntariado para o PARNIT

PARNIT - Oficinas participativas para o Plano de Manejo do Parque Natural Municipal de Niterói (Parnit)
DIA HISTÓRICO EM NITERÓI: Foi publicado hoje o Decreto 11.744, que instituiu o PARNIT
NITERÓI MAIS VERDE: Trilhas revitalizadas são opções para o turismo ecológico em Niterói


Importância das trilhas para a saúde humana

ESTUDO ESTIMA IMPACTOS DO PLANEJAMENTO URBANO NA SAÚDE: Benefícios da caminhada e da bicicleta superam malefícios da poluição do ar
PARQUES: Benefícios das trilhas para a saúde

Outras postagens

PARQUES - Pequenas áreas verdes são importantes, mas cidades precisam de grandes parques
GESTÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS - Organizações sociais vão poder atuar na gestão ambiental dos parques estaduais, decide Alerj

FISCALIZAÇÃO AMBIENTAL: Ação apreende mais de uma tonelada de pescado em Niterói
CRISE DO RJ E PARQUES: Unidades de conservação sofrem com a falta de verba
PROGRAMA “VEM PASSARINHAR”: Parque Estadual da Ilha Grande realiza caminhada de observação de pássaros
PARQUES: Espanha lança Plano Diretor da sua rede de parques nacionais
NASCENTES DE NITERÓI: Projeto vai catalogar as águas escondidas de Niterói
NITERÓI CONTRA QUEIMADAS: Defesa Civil de Niterói forma mais uma turma de voluntários contra queimadas
MMA lança publicações dirigidas a Unidades de Conservação
 









Relatora vota pela inconstitucionalidade de norma que permite produção de amianto





O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) retomou, nesta quinta-feira (17), o julgamento sobre a constitucionalidade de dispositivo da Lei 9.055/1995 (artigo 2º) que disciplina a extração, industrialização, utilização e comercialização do amianto crisotila (asbesto branco) e dos produtos que o contenham. Única a proferir voto na sessão de hoje, a relatora da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4066, ministra Rosa Weber, se posicionou pela inconstitucionalidade da norma que considera em desacordo com os preceitos constitucionais de proteção à vida, à saúde humana e ao meio ambiente, além de desrespeitar as convenções internacionais sobre o tema das quais o Brasil é signatário.

Preliminar

A ação foi proposta pela Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) e pela Associação Nacional do Procuradores do Trabalho (ANPT), cuja legitimidade ativa para propor ADI sobre o tema foi questionada pela Advocacia-Geral da União. Segundo a AGU, as entidades não estariam legitimadas porque as atividades fins de seus membros não guardam relação direta com a norma impugnada.

Por maioria, prevaleceu o entendimento da ministra Rosa Weber, no sentido de que as associações possuem vínculo de pertinência com o assunto, pois além da defesa dos interesses corporativos de seus associados, as entidades têm entre suas finalidades institucionais a proteção à saúde e segurança dos trabalhadores, o que também se observa nas missões dos integrantes das duas categorias profissionais. Ficaram vencidos os ministros Alexandre de Moraes e Marco Aurélio, que entendem não haver legitimidade em razão de ausência de pertinência temática.

Voto

A ministra destacou a existência de um consenso científico em relação aos males à saúde causados pela exposição ao amianto, especialmente quanto a seu potencial como agente cancerígeno. Em seu entendimento, ainda que se pudesse admitir a constitucionalidade da lei à época em que foi editada, “não é mais razoável admitir, à luz do conhecimento científico acumulado sobre a extensão dos efeitos nocivos do amianto para a saúde e o meio ambiente, e a evidência da ineficácia das medidas de controle da Lei 9055/1995, a compatibilidade de seu artigo 2º com a ordem constitucional de proteção à saúde e ao meio ambiente”, afirmou.

Segundo a relatora, o direito à liberdade de iniciativa, previsto na Constituição, não impede a imposição pelo Estado de condições e limites para o exercício de atividades privadas, que deve se harmonizar com os demais princípios fundamentais. No caso da produção do amianto, observa a relatora, a compatibilização deve ocorrer com o dever de assegurar a proteção à saúde pública e um meio ambiente equilibrado. Em seu entendimento, não é possível considerar que os direitos fundamentais sociais ou coletivos tenham proteção menor em relação aos direitos individuais.

Ela lembrou que, segundo a Constituição Federal de 1988, a saúde é um direito social de todos, não se reduzindo a um mero caráter assistencial, mas abrangendo também o direito à prevenção inclusive no local de trabalho. “Os preceitos constitucionais que elevam a saúde à categoria de direito social incumbem ao Estado o dever de garanti-la mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doenças e assegure aos trabalhadores a redução de riscos no trabalho e adoção de agenda positiva para a proteção desses direitos”, argumentou.

A ministra salientou que a Convenção 162 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que trata do banimento do amianto, admite a continuidade de sua produção em determinadas condições, sempre regulamentada por meio de lei, mas orienta a substituição progressiva à medida em que surjam tecnologias alternativas. Observou que a convenção, que tem status de norma supralegal no Brasil, prevê a atualização periódica da legislação, mas que isso não ocorreu pois a Lei 9055 já tem mais de 20 anos de sua promulgação.

A relatora considera que a norma impugnada, embora pudesse ser constitucional em 1995, não detém o mesmo status atualmente. Segundo ela, não é possível expor os trabalhadores ao risco de uma doença laboral unicamente para potencializar a capacidade produtiva de uma empresa ou determinado setor econômico. Em seu entendimento, cada vez que um processo produtivo se revele um perigo para a saúde do profissional, o empregador deverá reduzir, até o limite máximo oferecido pela tecnologia, os males causados ao trabalhador. “Quando, porém, os incômodos forem de tal monta a ponto de minar a saúde do trabalhador, havendo um conflito entre a exigência produtiva e o direito, este último deverá prevalecer”, sustentou.

A ministra propôs, ainda, a seguinte tese: “A tolerância ao uso do amianto crisotila, da forma como encartada no artigo 2º da Lei 9.055/95, é incompatível com os artigos 7º, XXII, artigo 196 e 225 da Constituição Federal”.

PR/CR

Processos relacionados
ADI 4066

Fonte: STF










PARQUES AMEAÇADOS: Presidente do STF vota por inconstitucionalidade de MP que reduz área protegida



Ministra Carmem Lúcia | Nelson Jr. / SCO / STF


Voto de Carmem Lúcia é uma sinalização importante, apesar de decisão final sobre assunto ainda estar em aberto

Nesta quarta (16/8), a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Carmem Lúcia, deu uma importante sinalização em defesa do meio ambiente. Na qualidade de relatora, ela votou pela inconstitucionalidade do uso de Medidas Provisórias (MPs) para reduzir Unidades de Conservação (UCs).

O voto foi dado no julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4717, movida pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra a MP 588/2012, do governo de Dilma Rousseff, que diminui UCs em Rondônia, Amazonas, Pará e Mato Grosso para permitir a implantação de hidrelétricas (saiba mais no fim da reportagem).

Logo depois da manifestação de Lúcia, o ministro Alexandre de Moraes pediu vistas do processo, suspendendo-o. Não há previsão para a sua retomada. Todos os outros dez ministros da corte ainda devem votar.

Por isso, não há ainda uma decisão final sobre o caso. O voto da relatora, no entanto, é uma indicação importante porque estabelece os elementos principais que serão discutidos até o fim do julgamento.

Recentemente, o governo Temer tentou reduzir por MP a Floresta Nacional (FLONA) do Jamanxim, no sudoeste do Pará. Na tramitação no Congresso, a área perdida para a conservação aumentou exponencialmente, inclusive afetando outras UCs. O governo acabou voltando atrás, vetando a grande parte da MP, mas foi obrigado a encaminhar ao Congresso um projeto de lei reduzindo a Flona.

Relatório

Em sua manifestação, Carmem Lúcia confirmou que MPs e decretos presidenciais podem ser usados para ampliar a proteção ao meio ambiente, mas não para reduzi-la, como nesse caso. De acordo com a ministra, a diminuição de uma área protegida precisaria ser feita por meio de uma lei convencional, discutida amplamente pela sociedade na tramitação de um projeto no Congresso.

“O que se consumou, na minha consideração, foi a indevida alteração de reservas florestais, sem o atendimento ao devido processo legislativo formal, deflagrada e levada a efeito pela presidente da República, que, como demonstrado nos variados documentos trazidos, acarretou em prejuízos à proteção ambiental em parques nacionais na Amazônia”, disse.

O voto reafirmou que o direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado previsto na Constituição é um direito fundamental. Reforçou ainda a proibição de retrocesso em direito socioambiental e o princípio da precaução, pelo qual deve-se evitar danos ambientais, que podem ser irreversíveis.

“O voto da ministra Carmen Lúcia é relevantíssimo para a preservação das UCs, pois veda a sua desafetação ou redução por medida provisória, considerando que esta pode produzir danos irreversíveis ao meio ambiente”, avalia o advogado do ISA Maurício Guetta. “Além disso, o reconhecimento de violação ao princípio da vedação de retrocesso em direitos socioambientais ainda pode produzir precedente importante para o julgamento das ações contra o chamado novo Código Florestal”, acrescenta.

Guetta analisa ainda que o voto da presidente do STF deve influenciar decisões econômicas e políticas futuras, do governo e da iniciativa privada, sobre a construção de hidrelétricas na Amazônia. Ele acredita que os atores do setor elétrico podem ser mais cautelosos no planejamento e execução de projetos a partir de uma eventual decisão final inspirada no relatório da presidente do STF.

Uma das dúvidas sobre o voto de Carmem Lúcia é que ela declarou a inconstitucionalidade do uso de MPs para a redução de UCs, o que poderá ser um obstáculo ao uso desse instrumento para esse fim no futuro, mas não anulou a MP 588 pelo fato de duas das hidrelétricas implicadas no caso, Santo Antônio e Jirau (RO), já terem sido construídas e estarem funcionando. Resta saber se os outros ministros tratarão desse assunto, se o acórdão final sobre a decisão vai esclarecê-lo ou se as partes envolvidas terão de pedir esse esclarecimento.

O voto da ministra foi proferido depois de vitória importante dos povos indígenas no STF. A corte rejeitou as duas ações do governo de Mato Grosso que exigiam indenizações da União por ela ter supostamente demarcado o Parque Indígena do Xingu e áreas dos índios Pareci e Nambikwara sobre áreas devolutas estaduais (leia mais).

Medida Provisória

Editada em janeiro de 2012 pela presidenta Dilma Rousseff, originalmente a MP ampliava o Parque Nacional (PARNA) dos Campos Amazônicos (AM/RO/MT), mas reduzia a Área de Proteção Ambiental (APA) Tapajós (PA), os PARNAs da Amazônia (AM/PA) e do Mapinguari (AM/RO), as FLONAs (Florestas Nacionais) de Crepori, Itaituba I e II (PA). No total, o primeiro PARNA ganhou 87,7 mil hectares e as outras seis áreas perderam juntas 86 mil hectares.

As alterações foram feitas para regularizar a ocupação de agricultores e acomodar a implantação das hidrelétricas de Jirau, Santo Antônio e Tabajara (RO), e do complexo hidrelétrico do Tapajós (PA). O relator da MP na Câmara, deputado Zé Geraldo (PT-PA), conseguiu aprovar também a exclusão de mais 18 mil hectares da FLONA do Tapajós (PA).

Ação retirada de pauta

Outra ADI importante sobre UCs, a 3646, também prevista para ser julgada hoje, foi retirada da pauta do STF em virtude da ausência de seu relator, o ministro Dias Toffoli, que está doente. A ação foi ajuizada pelo governador de Santa Catarina e argumenta que o art. 22 da Lei do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC, nº 9.985/2000) é inconstitucional. O dispositivo prevê que a criação, ampliação e recategorização de UCs pode ser feita por decreto. Segundo análise do ISA e de outras organizações ambientalistas, se a ação for julgada procedente, a criação das UCs e aquelas hoje existentes poderiam ser colocadas em risco (saiba mais).

Por: Oswaldo Braga de Souza
Fonte: ISA












quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Belo fenômeno no qual as copas das árvores evitam se tocar



COMENTÁRIO: não encontrei uma discussão mais acadêmica ou publicações científicas sobre o tema. Apenas citações em alguns sites de curiosidades, aliás, muitos com o mesmo texto e as mesmas fotos.

De qualquer forma, por sua beleza e por me parecer factível, o assunto chamou a minha atenção, como engenheiro florestal e tomo a liberdade de compartilhar.

Axel Grael



----------------------------------------------------------



Belo fenômeno no qual as copas das árvores evitam se tocar




A “copa tímida” (ou, em inglês, “crown shyness”) é um fenômeno que ocorre naturalmente em algumas espécies arbóreas, no qual as coroas de árvores vizinhas de altura similar não se tocam, mas ficam separadas por uma lacuna.

O efeito visual é impressionante, uma vez que cria bordas claramente definidas, semelhantes a rachaduras ou rios no céu, quando vistas de baixo.



A principal hipótese

Embora o fenômeno tenha sido observado pela primeira vez na década de 1920, os cientistas ainda não conseguiram chegar a um consenso sobre o que o causa.

Uma teoria sugere que esse espaço vazio pode ser causado por quebras de galhos e ramos em colisões violentas que ocorrem durante tempestades e ventos fortes. Experiências mostraram que, se as árvores com copa tímida forem artificialmente impedidas de balançar e colidir ao vento, elas gradualmente preenchem os espaços vazios no dossel.

Os pesquisadores também descobriram que o fenômeno não ocorre quando as árvores são jovens e curtas, mas sim se desenvolve mais tarde, uma vez que alcançam uma certa altura e são capazes de influenciar o vento.

As árvores com troncos finos têm copas relativamente pequenas por causa de sua menor capacidade de resistir à deflexão no vento. Portanto, balançam amplamente no vento e são mais propensas a colidir com as vizinhas.




Dúvidas

Um estudioso da Malásia que analisou a Dryobalanops aromatica, no entanto, não encontrou evidências de colisão de galhos devido ao contato. Ele sugeriu que as pontas crescentes dessas árvores eram sensíveis aos níveis de luz, e paravam de crescer quando se aproximavam de folhagem adjacente.

Talvez a “copa tímida” seja uma espécie de medida preventiva contra o sombreamento (otimizando a exposição à luz para a fotossíntese).

Alguns ainda sugerem que as árvores apresentam esse fenômeno como proteção, para evitar a propagação de larvas de insetos que destroem folhas.

Um dos poucos lugares onde o fenômeno pode ser observado é o Instituto de Pesquisa Florestal da Malásia, em Kuala Lumpur. Algumas das fotos que acompanham este artigo foram tiradas lá. A imagem do topo foi feita por Dag Peak na Plaza San Martins, em Buenos Aires, na Argentina.







Fonte: Hypescience









NITERÓI MAIS VERDE: Parque das Águas fica pronto em setembro










Segundo Rodrigo Neves, o projeto tem o objetivo de transformar o espaço numa nova área de convivência. Foto: Alexandre Vieira / Prefeitura de Niterói




15/08/2017 – Uma das principais áreas de lazer em revitalização em Niterói, o Parque das Águas, no centro da cidade, entrou em fase final de acabamento e deverá ser entregue até o fim do próximo mês.

Nesta terça-feira, 15/8, o prefeito Rodrigo Neves vistoriou o local e conversou com técnicos e operários. Ao final da visita, que durou cerca de uma hora, Neves fez uma avaliação do local e de sua importância para a região:

“Essa é uma área do centro da cidade sem uso público, causado pela dificuldade de acesso. No entanto, esse projeto do Parque das Águas, com um programa de educação ambiental, cultura e lazer, tem o objetivo de incentivar a preservação dos recursos hídricos e naturais para as atuais e futuras gerações. Esse local é extraordinário e faz parte do Patrimônio Histórico de Niterói, pois é o primeiro grande reservatório de água construído na cidade, no fim do século XIX.”

O prefeito explica que o projeto tem o objetivo de transformar o espaço numa nova área de convivência para as famílias niteroienses.

“O Parque das Águas é um local muito especial que muitos niteroienses não conhecem. O projeto que está sendo executado integra o conjunto de ações com foco na sustentabilidade ambiental que temos desenvolvido ao longo dos últimos três anos. Nesse período, fizemos o plantio de milhares de árvores, protegemos áreas verdes com o Parnit, incentivamos o uso da bicicleta.

Tenho certeza que, assim como o Skatepark de São Franscico, o Horto de Itaipu e o novo Horto do Fonseca, esse novo parque, mais acessível e mais organizado, e com estrutura adequada para receber visitantes será um novo espaço, de encontro e convivência”, explica o prefeito.

Rodrigo Neves afirmou, ainda, que o cronograma da obra segue dentro do programado e que a inauguração do Parque das Águas deverá ocorrer no próximo mês.

O Parque das Águas

O parque ocupa uma área de 32 mil metros quadrados do Morro da Detenção, tombada pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac), e abriga uma das últimas áreas verdes numa das regiões mais densas da cidade. No local foi construído, no século XIX, um sistema para o abastecimento de água para a cidade e que, ainda hoje, distribui água para alguns bairros.

A Prefeitura de Niterói incluiu o parque entre as prioridades para os investimentos do Projeto de Desenvolvimento Urbano e Inclusão Social de Niterói (PRODUIS), com recursos financiados pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). O investimento é de R$ 7,8 milhões.

As intervenções em andamento incluem a construção de um elevador de acesso para a população em geral, com atenção para cadeirantes e portadores de necessidades especiais, criação de um espaço de lazer e de convívio e reforma de um auditório. O parque também será um local de treinamento para a Defesa Civil e os voluntários dos Núcleos de Defesa Civil nas Comunidades (Nudecs).

Também estão previstas a recuperação da área verde, restauração dos jardins, caminhos, trilhas e melhoria da drenagem; além do planejamento do programa de educação ambiental, que terá como tema a água. Dentre os objetivos da revitalização, destaca-se ainda a realização de eventos culturais, como shows.

Fonte: Prefeitura de Niterói



-------------------------------------------------------------


LEIA TAMBÉM:

Obras do Parque das Águas, no Centro de Niterói, estão na reta final
PARQUES EM NITERÓI: As obras do Parque das Águas estão avançando!
PRAÇA JORNALISTA BETY ORSINI É INAUGURADA NO CENTRO DE NITERÓI
Parque das Águas perto da conclusão Vice-prefeito Axel Grael visita o Parque das Águas
PARQUE DAS ÁGUAS EDUARDO TRAVASSOS - visita ao local com técnicos que estão elaborando projeto de revitalização e reabertura à visitação

Parques em Niterói


Outras postagens

Imóveis irregulares em área de preservação são demolidos
NITERÓI MAIS VERDE: Ilha do Pontal terá visitas guiadas a estudantes
Metrópole das aves, Rio tem centenas de espécies e abriga nas ruas joias de suas florestas
Parque, praça e ciclovia perto incentivam exercício, confirma estudo
PARNIT - TRAVESSIA TUPINAMBÁ: Novo caminho para trilhar na cidade
VOLUNTARIADO: Defesa Civil de Niterói capacita contra queimadas
Região Metropolitana do Rio tem 36,2% de área verde, revela pesquisa
Como Barcelona abriu espaços para áreas verdes
Quanto vale um parque? Estudo mostra o valor positivo das unidades de conservação
ARBORIZAÇÃO: Em Niterói, ruas são mais verdes







Imóveis irregulares em área de preservação são demolidos



Grupo atua em áreas verdes consideradas críticas e com ameaça de ocupação. Foto: Divulgação.



Construções localizadas em Charitas, na Zona Sul, foram alvos do Gecopav

O Grupo Executivo para o Crescimento Ordenado de Preservação das Áreas Verdes (Gecopav) de Niterói realizou ontem a demolição de construções irregulares em área de proteção ambiental do Parnit em Charitas, na Zona Sul da cidade. A iniciativa faz parte das ações de intensificação de proteção às áreas verdes. Nos últimos seis meses, o Gecopav recebeu 228 denúncias sobre tentativas de ocupação irregular. Todas estão sendo averiguadas pela Prefeitura de Niterói, que também realiza o monitoramento periódico das áreas. A Região Oceânica tem sido a campeã de denúncias verificadas e acompanhadas pelo Gecopav.

As intervenções de ontem aconteceram na Rua Levy Carneiro e na localidade conhecida como Fundanga, próxima a uma encosta. Nenhum dos dois locais estava habitado.

O coordenador afirma que o grupo faz um trabalho diário identificando irregularidades, com uma equipe que realiza as rondas ostensivas de meio ambiente em áreas verdes consideradas críticas e com ameaças de ocupação. As ações acontecem com agentes do Gecopav, Secretaria de Meio Ambiente, Coordenadoria Ambiental da Secretaria de Ordem Pública, Secretaria de Conservação e Serviços Públicos (Seconser) e, em determinadas situações, com apoio da Polícia Militar.

Já foram retiradas, apenas este ano, construções irregulares em locais como a encosta do Morro do Cavalão, no Maceió, em Piratininga, entre outros.

Wilton Ribeiro explica que qualquer munícipe pode denunciar construções irregulares através do telefone 153 da Guarda Municipal ou pelo e-mail gecopav@gmail.com.

Fonte: O Fluminense








NITERÓI MAIS VERDE: Ilha do Pontal terá visitas guiadas a estudantes



Localizada próxima ao Cafubá, a Ilha possui vários ecossistemas - Divulgação/Prefeitura de Niterói


Leonardo Sodré

Área na Lagoa de Piratininga está sendo revitalizada para excursões

Localizada na Lagoa de Piratinga, perto do Cafubá, a Ilha do Pontal, ainda pouco conhecida dos niteroienses, é visitada regularmente apenas por pescadores artesanais e jaçanãs, aves que são maioria no local, onde fazem seus ninhos. Novos frequentadores, porém, terão acesso à ilha em poucos dias: turmas de estudantes com até 25 alunos passarão a fazer excursões guiadas duas vezes por semana ali. Para permitir as visitas, uma ponte que dá acesso à ilha está sendo reformada, e trilhas serão reabertas e sinalizadas.

O projeto, uma parceria da Secretaria municipal de Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Sustentabilidade com a de Educação, tem por objetivo ensinar às crianças a observarem a natureza e preservarem as espécies. As visitas à Ilha do Pontal serão iniciadas em setembro para crianças de 6 a 12 anos das escolas da rede municipal. Posteriormente, estudantes de colégios particulares também poderão fazer o passeio. A Secretaria de Educação deverá escolher as primeiras escolas da rede pública que participarão das excursões iniciais, agendando as visitas diretamente com a direção das escolas.

A estrutura que está sendo instalada na ilha inclui placas de sinalização com mensagens educativas que orientarão o percurso dos visitantes por ambientes variados, como rochas, mangue, brejo, laguna e floresta. Nas placas estará a imagem da ave símbolo da ilha, o jaçanã.

De acordo com a bióloga Vanessa Onofre, da Secretaria municipal de Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Sustentabilidade, o jaçanã tem características muito próprias: as fêmeas montam seus ninhos na vegetação rasteira, às vezes submersos, e quem toma conta dos ovos são os machos. Com cerca de 20 centímetros de comprimento, a ave é pequena, mas chama a atenção pela exuberância, com plumagem negra, um manto castanho e o bico amarelo.

— Além de ser um local com forte presença dessas aves, a ilha tem ecossistemas variados e diversos tipos de fauna, o que possibilitará apresentar às crianças a composição e as características de habitats diferentes num passeio de uma hora — explica Vanessa.

Habitada por povos antigos

A Ilha do Pontal é composta por quatro mirantes e tem grande quantidade de conchas de moluscos, indicando que povos antigos habitaram a região. A ilha foi considerada reserva biológica e arqueológica municipal em 2002, para assegurar a preservação e o resgate dos vestígios de sambaqui encontrados na área, representativos das comunidades indígenas que viviam na Região Oceânica há séculos atrás.










segunda-feira, 14 de agosto de 2017

MUDANÇAS CLIMÁTICAS: RJ terá menos volume de chuvas, mas mais temporais nos próximos anos



Mudanças climáticas poderão levar a secas seguidas por períodos de chuva intensa no Rio de Janeiro (foto: Wikimedia Commons)


São Paulo deverá ter mais chuva nos próximos anos, indica pesquisa

Peter Moon | Agência FAPESP – As mudanças climáticas estão alterando o padrão de chuvas no Brasil, particularmente no Sudeste. É o que indica uma nova pesquisa que aponta um aumento médio tanto no volume de água quanto na média de dias em que chove no Estado de São Paulo. O trabalho foi feito com mais de 70 anos de dados meteorológicos.

No Rio de Janeiro e no Espírito Santo, a estimativa é de redução no volume médio da precipitação para os próximos anos, mas com concentração em menos dias e ocorrência de mais eventos extremos. Ou seja, deverá chover menos, mas com chuva mais intensa e tempestades mais frequentes.

"No Rio de Janeiro e no Espírito Santo (...) deverá chover menos, mas com chuva mais intensa e tempestades mais frequentes".

As conclusões estão em artigo publicado no International Journal of Climatology.

“Um modo interessante de entender as mudanças climáticas é pensar em um clima com esteroides anabolizantes. Estamos vendo em todo o mundo o aumento da frequência de eventos extremos. O intuito de nossa pesquisa foi tentar entender como isso está ocorrendo no Sudeste brasileiro, a região mais populosa do país”, disse Leila Maria Vespoli de Carvalho, professora associada no Departamento de Geografia da University of California em Santa Barbara, uma das autoras da pesquisa.

Outra autora, Marcia Zilli, doutoranda no mesmo departamento, sob orientação de Carvalho, explica que a pesquisa partiu da reunião e análise dos dados meteorológicos da região Sudeste provenientes de duas fontes: a Divisão de Ciências Físicas do Earth System Research Laboratory, no Colorado, e as 36 estações meteorológicas individuais no Sudeste brasileiro operadas por diferentes agências brasileiras, com dados disponibilizados pela Agência Nacional de Águas.

“Embora a grande maioria dos dados obtidos esteja circunscrita a um período de mais de 70 anos, compreendido entre 1938 e 2012, várias estações meteorológicas têm registros mais antigos, das décadas de 1910 e 1920. De uma estação meteorológica na cidade de São Paulo, conseguimos dados desde 1888”, disse Zilli.

Participaram do estudo Brant Liebmann, da National Oceanic and Atmospheric Administration, e Maria Assunção Faus da Silva Dias, professora titular no Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da Universidade de São Paulo. Assunção foi a orientadora de doutoramento de Carvalho. O trabalho contou com apoio da FAPESP.

Os pesquisadores focalizaram o período de maior precipitação no Sudeste brasileiro, que vai de outubro a março. Ao longo da amostragem, verificaram a quantidade de dias sem chuva, a quantidade de dias com chuvas fracas (menos de 5 milímetros) e a quantidade de dias com chuvas intensas ou extremas, e tempestades.

“A manipulação estatística do conjunto dos dados serviu para estabelecer quais foram os padrões do regime de chuvas na região Sudeste verificados até o momento e, a partir disso, projetar as tendências para o futuro”, disse Zilli.

"...as precipitações estão diminuindo na parte norte da região Sudeste, sobre o Rio de Janeiro e o Espírito Santo, e aumentando no Sul".


Observou-se que as precipitações estão diminuindo na parte norte da região Sudeste, sobre o Rio de Janeiro e o Espírito Santo, e aumentando no Sul. E a tendência é que esse padrão continue nos próximos anos.

“Essas tendências estão se tornando mais dramáticas. Isso vai ficar mais frequente e pior. Onde chove muito vai chover mais. Onde há seca vai ficar mais seco. O governo e a população precisam entender o que está acontecendo com o clima para planejar e melhor se adaptar às mudanças”, disse Carvalho.

"O governo e a população precisam entender o que está acontecendo com o clima para planejar e melhor se adaptar às mudanças".


Silva Dias destaca que a concentração da chuva em menos dias no Rio de Janeiro é um indicador de tendência à aridez, mas não o único. “O manejo do solo, sua cobertura vegetal, enfim, fatores associados ao equilíbrio do ecossistema são igualmente importantes. Eles também são uma forma possível de impacto na alteração do regime das chuvas”, disse.

"...a concentração da chuva em menos dias no Rio de Janeiro é um indicador de tendência à aridez".


Padrão de extremos

Segundo os pesquisadores, as alterações no regime de chuvas observadas para a região Sudeste estão inseridas em um contexto maior, pois um dos sinais mais robustos das mudanças climáticas no Brasil é justamente o secamento no Norte e no Nordeste e o umedecimento no Sul e no Sudeste.

"...um dos sinais mais robustos das mudanças climáticas no Brasil é justamente o secamento no Norte e no Nordeste e o umedecimento no Sul e no Sudeste".

Muito embora os dados analisados no trabalho terminem em 2012 – portanto não incluindo o período da seca do verão de 2014/2015 –, “ao se acrescentar os dados mais recentes o que se verifica é que a tendência se mantém inalterada. A seca de 2014/2015 foi um ponto fora da curva”, disse Zilli.

Silva Dias ressalta que a seca entre 2014 e 2015 faz parte de um padrão global de extremos. “Ao mesmo tempo que em São Paulo tivemos seca, aconteceram inundações extremas na região Norte do Brasil. Pontos fora da curva, para mais e para menos, seguindo essa tendência, devem aparecer com maior frequência nos próximos anos do que no passado”, disse.

"As ilhas de calor em uma cidade do tamanho de São Paulo criam condições para a formação de tempestades. A proximidade do oceano Atlântico ajuda a formação dessas tempestades com o fornecimento de vapor d'água”,

“Os efeitos sobre a cidade de São Paulo já estão sendo sentidos com grande intensidade. Os extremos estão ficando cada vez mais intensos. As ilhas de calor em uma cidade do tamanho de São Paulo criam condições para a formação de tempestades. A proximidade do oceano Atlântico ajuda a formação dessas tempestades com o fornecimento de vapor d'água”, disse a professora do IAG.

O artigo A comprehensive analysis of trends in extreme precipitation over southeastern coast of Brazil (doi: 10.1002/joc.4840), de Marcia T. Zilli, Leila M. V. Carvalho, Brant Liebmann, Maria A. Silva Dias, pode ser lido em http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/joc.4840/abstract.



Fonte: Agência FAPESP




------------------------------------------------------------------------


LEIA TAMBÉM:

MUDANÇAS CLIMÁTICAS: Prefeitura cria o Grupo Executivo de Sustentabilidade e Mudanças Climáticas de Niterói (GE-CLIMA) 
MUDANÇAS CLIMÁTICAS: Pesquisadores apresentam projeções para extremos climáticos no Sudeste brasileiro
Desastres e condições climáticas severas forçam paises a se adaptar
US east coast cities face frequent flooding due to climate change
ONU: Impacto econômico da mudança climática pode custar 2,5% do PIB da América Latina e Caribe
Projeto avalia os impactos de mudanças climáticas nos manguezais fluminenses
Os impactos das mudanças climáticas na economia brasileira
Atlas digital traz cenários climáticos futuros para o Brasil
Mudança do clima e ação humana alteram litoral no Brasil
A cidade sustentável e o clima
Brasil deve esquentar pelo menos 3°C até 2100
Acidificação dos oceanos cresce 26% nos últimos 200 anos, diz relatório
O que o desmatamento tem a ver com sua torneira?
CONCLIMA apresenta o 1º Relatório de Avaliação Nacional sobre Mudanças Climáticas









Boca Rosa no Projeto Grael: MÃO NA MASSA! UM DIA NO PROJETO GRAEL | Instagram Stories Boca Rosa






Para a alegria da nossa garotada, a blogueira Bianca Andrade, mais conhecida como Boca Rosa, nome do blog (www.bocarosablog.com) que edita para o público jovem, esteve visitando o Projeto Grael.

Boca Rosa faz um enorme sucesso e já passou de 12 milhões de seguidores em seu blog.

Bianca passou dois dias no Projeto Grael, participou das oficinas profissionalizantes e velejou com a garotada. O público-alvo da blogueira é da mesma faixa etária do Projeto Grael e, portanto, nós a convidamos para ser a nossa madrinha. E ela aceitou!!!!

Veja a postagem dela:

Com alegria no meu coração, venho dizer que fui chamada pra ser madrinha desse projeto @projetograel. Quem me acompanha nos stories viu que nos últimos dias fiquei totalmente dedicada em conhecer esse lugar especial. Agora vou explicar o porquê. Ano passado fui convidada pra participar do mesão de ligações do Criança Esperança e esse ano eles perguntaram se queria conhecer alguns dos projetos que receberam as doações que ajudamos a arrecadar. Topei sem pensar duas vezes. Passamos 2 dias juntos pra conhecer o trabalho deles e ajudar a divulgar, mas saí de lá com uma semente plantada na minha cabeça: ajudar ainda mais quem está hoje na mesma situação em que eu estive até a minha adolescência! Revivi muita coisa com essas crianças e jovens, voltei a ser a Bia de 15 anos. E foi bom demais!
Quem quiser ajudar o @projetograel e muitos outros pelo Brasil inteiro que recebem ajuda do Criança Esperança, doe! Doe o quanto você puder e quiser! O Criança Esperança é feito por todos nós e projetos como o @projetograel nos agradecem demais.
Obrigada à todos pela oportunidade. Em breve sairá um vlog que gravamos desses dias nas redes sociais da @redeglobo. Aviso vocês aqui!
Link para doar: http://redeglobo.globo.com/criancaesperanca/doacao.html

Veja fotos da visita:







Muito obrigado para a nossa madrinha Boca Rosa. Bons ventos e que siga cada vez com mais sucesso.

Axel Grael



------------------------------------------------------------------



ACESSE TAMBÉM AS SEGUINTES POSTAGENS:

BOCA ROSA VISITOU O PROJETO GRAEL
Lars Grael apresentou o Projeto Grael em matéria do RJTV.
BOM DIA RJ NO PROJETO GRAEL: Barco-laboratório que dá volta ao mundo chega em Niterói para parceria com o Projeto Grael
PROJETO GRAEL RECEBE BARCO SUSTENTÁVEL: Nômades do ambiente ancoram em Niterói
Lars Grael anuncia programa educacional sobre o lixo em parceria do Projeto Grael com a Parley Ocean School e com patrocício da Adidas
PROJETO GRAEL REPERCUTE NA ESPANHA: "Los otros Juegos: un medallista olímpico de vela ayuda a miles de niños desfavorecidos"
BAÍA DE GUANABARA: "Gestão do lixo flutuante será legado dos Jogos Olímpicos para a Baía de Guanabara", secretário André Correia
NBC News publica reportagem sobre a contribuição do Projeto Grael para a despoluição da Baía de Guanabara
BAÍA DE GUANABARA EM DEBATE NO MAC
Niterói terá lançamento de filme sobre a Baía de Guanabara e debate
A história do militar reformado que influencia gerações de atletas em Niterói
PROJETO GRAEL: Em águas prósperas
Projeto da família Grael faz atleta trocar a bola pelo barco