sexta-feira, 28 de abril de 2017

Trump quer retirar verbas de despoluição da Baía de Chesapeake, modelo do programa da Baía de Guanabara



COMENTÁRIO DE AXEL GRAEL:

O projeto de lei orçamentária que o presidente Trump enviou ao Congresso dos EUA não acaba com a previsão de repasses de recursos para o programa de despoluição da Baía de Chesapeake, uma iniciativa ambiental pioneira e considerada emblemática em todos os EUA.

A experiência de despoluição da Chesapeake começou em 1983 e influenciou o programa de despoluição da Baía de Guanabara, que iniciou-se praticamente uma década depois. Inclusive, recentemente, o governo do estado do Rio de Janeiro contratou uma consultoria para propor um modelo de gestão para a Baía de Guanabara, adaptando para a realidade brasileira vários dos conceitos e soluções adotados em Chesapeake.

Os dois programas - Guanabara e Chesapeake - guardam semelhanças mas muitas diferenças importantes. A nossa baía é um estuário tropical totalmente contida no estado do Rio de Janeiro. Chesapeake é bem maior e a sua bacia hidrográfica abrange seis estados.

Enquanto a prioridade na Guanabara é tratar esgoto (uma agenda embaraçosamente extemporânea), na Chesapeake o foco está na drenagem urbana e no carreamento de nutrientes das áreas agrícolas e da pecuária para a baía. Segundo especialistas e militantes, a poluição causada pelas emissões atmosféricas dos automóveis são responsáveis por um terço da poluição da Baía.

A despoluição de Chesapeake começou a partir de uma decisão do Congresso Americano que estabeleceu a prioridade de recuperação da baía, além dos Grandes Lagos e da Puget Sound. Para Chesapeake foram destinados US$ 73 milhões anuais e foram estabelecidos pactos que envolveram os seis estados envolvidos, o Distrito da Colúmbia, municípios e a sociedade civil.

O grande destaque para a sociedade civil está na Chesapeake Bay Foundation, hoje considerada a maior ONG ambientalista regional do país.

Até 2010, o pacto era voluntário e não funcionou. Principalmente a Pensilvânia, estado de economia mais rural, mais conservador, tradicionalmente com tendência republicanas e reativo à agenda ambiental. Naquele ano, o EPA decidiu estabelecer um novo acordo, desta vez impositivo, estabelecendo obrigações para as instância governamentais envolvidas.

Ann Swanson, diretora do órgão colegiado responsável pela coordenação dos trabalhos (Chesapeake Bay Commission) afirmou que o caso da baía tornou-se um modelo de iniciativa colaborativa e multi-institucional e 12 agência federais. Estas agências investem mais de US$ 500 milhões anuais na despoluição, o que se soma a um significativo investimento também dos estados.

Ao contrário da Baía de Guanabara, a recuperação da baía norte-americana já tem mostrado resultados e, segundo um estudo desenvolvido pela Chesapeake Bay Foundation, a despoluição da baía traria um benefício de US$ 22 bilhões/ano para a economia do seu entorno.

Por que então Trump quer bloquear o processo de resgate da saúde de Chesapeake? Trump e seus seguidores não querem que o modelo de Chesapeake que estabeleceu regras impositivas para a despoluição, tão combatida solução que está se mostrando eficiente mas provoca a ira dos republicanos, seja adotada em outras partes do país.

Para deixar clara a sua posição, eco-vilão Trump nomeou para presidência da EPA o ex-procurador geral do Estado de Oklahoma, Scott Pruitt, que foi um dos autores de uma ação na justiça contra a política da EPA para a Chesapeake.

Para os ambientalistas e seus aliados, a esperança está nos congressistas de quem esperam que restituam a verba orçamentária e a determinação para que o governo federal americano de continuidade ao trabalho de limpeza de Chesapeake.

Que Deus acuda os ecossistemas de Chesapeake e que a sensatez prevaleça!!!

Axel Grael



--------------------------------------------------------------


Why Does Trump Want to Pull Plug on the Cleanup of the Chesapeake?




The decades-long federal program to clean up Chesapeake Bay is showing signs of success and is supported by politicians of both parties. So why is the Trump administration seeking to eliminate funding for it?

By TOM HORTON • April 27, 2017

President Donald Trump’s first budget would eliminate all of the U.S. Environmental Protection Agency’s $73 million in annual funding for restoring Chesapeake Bay. It is a radical break with decades of federal policy that ironically comes just when investment in the nation’s largest estuary appears to be paying off.

“After decades the bay is finally turning around,” says Walter Boynton, a University of Maryland researcher. “Time to double down, build on the momentum, spend more, not less.”

Boynton has been studying the bay since early signs of decline 45 years ago mobilized the likes of U.S. Senator Charles Mathias, EPA Administrator Russell Train, Interior Secretary Rogers Morton, and community leader Arthur Sherwood, who started the Chesapeake Bay Foundation.

All were Republicans, Boynton notes.

“Now we have robust science that tells us we are slowly but surely succeeding,” he says. “How cool for [Trump]to seize on this and say, ‘We’ve taken one of the world’s most productive ecosystems, that was just a mess, and made it great again. Huge victory.’”

The reality is far grimmer. Trump’s budget would zero out direct EPA support for the Chesapeake restoration that began in 1983, and for similar projects in other world-class water resources from the Great Lakes to Puget Sound. This is a break with federal priorities that stretch back to President Ronald Reagan, who in 1984 declared the bay a “national treasure.”

From the start, it was agreed that the multi-state nature of the Chesapeake made a federal partnership key to recovery.


The efforts to bring back the Chesapeake – whose second biggest tributary, the Potomac River, flows through the nation’s capital – are widely seen as a national and international model for sustainable use of coastal regions where some half of earth’s 7.5 billion people live. The pollution that has wiped out vital seagrass habitats, fueled toxic algae blooms, and caused large ‘dead zones’ of oxygen-poor waters in the Chesapeake is happening to coastal waters worldwide. More than 400 dead zones are now documented globally, and none have been reversed.

“If we can’t bring water quality back here, in the world’s richest, most powerful nation, where do we expect to?” says William Baker, president of the Chesapeake Bay Foundation, now the nation’s largest regional environmental organization.

From the start it was agreed that the multi-state nature of the Chesapeake made a federal partnership key to recovery. While the bay proper stretches nearly 200 miles through Maryland and Virginia to the Atlantic, its 64,000-square-mile watershed drains nearly a sixth of the East Coast – including some 50 rivers originating as far north as Cooperstown, New York – and extends into West Virginia and almost to North Carolina.



Pollutants are similarly complex, coming from human wastes and stormwater, from manure and chemicals from tens of millions of acres of farms, and in surprising amounts from dirty air blowing across the watershed from as far off as power plants in the Midwest.

The nitrogen and phosphorus in all of this have literally overfed Chesapeake waters, causing eutrophication that has made the estuary too murky and oxygen-poor to maintain the productivity that once supported one of every five people fishing for a living in the United States.

It’s unlikely the six states in the watershed (principally Maryland, Virginia, and Pennsylvania) could make up for the $73 million that Trump would eliminate. The EPA contribution now funds everything from research to enforcement to pollution reduction projects. Ending it would make the national model a “national disgrace,” says Baker.

Congress probably won’t let the worst happen in this instance, as some two dozen U.S. senators and representatives from throughout the watershed have signed letters supporting full funding for the EPA’s Chesapeake program. These include several Republicans, like conservative Maryland Congressman Andy Harris, whose sprawling district includes thousands of miles of bay shoreline. “I do want a hard look at how effectively the money is spent, but near or full funding…I support it,” Harris says.

But Ann Swanson, longtime executive director of the interstate Chesapeake Bay Commission, says EPA funding for the bay is not what worries her most.

“The 73 million [dollars] zeroed out drew the attention, but chances of that happening are slim to none,” she contends. “What’s less safe are [Trump’s] far broader cuts: 31 percent across the board for EPA, 21 percent to USDA [the U.S. Department of Agriculture], big cuts to the Department of Interior, NOAA, the Army Corps of Engineers, the U.S. Geological Survey. These will be crippling to the bay.”

Swanson explains that “the Chesapeake has become an incredible model for the ‘collaborative federalism’” that is at the core of the federal Clean Water Act. The bay restoration involves six states, the District of Columbia, and 12 federal agencies. Those 12 agencies spend more than half a billion dollars a year on Chesapeake-related recovery.

Combined with billions in state expenditures, those funds underpin a wide array of programs critical to maintaining the health of an estuary with shallow waters [22 feet deep on average] that must absorb the wastes of nearly 18 million people and the runoff from 41 million acres. Federal agencies are key to reaching goals such as planting 8,000 miles of forested and grassy buffers along waterways to filter polluted runoff from farms and development or rebuilding some 20 square miles of oyster reefs in ten Chesapeake rivers at a cost of $6.5 billion. Oysters, which once filtered pollution from a volume of water equivalent to the whole bay every couple weeks, are now at one percent or less of historic abundance.

The annual summer “dead zone” has begun shrinking and does not last as long, and water clarity has improved.


Even more critical is the very unsexy monitoring of water quality trends by the U.S. Geological Survey – “the gold standard,” as Boynton calls it. This monitoring, he notes, provides “the excellent, consistent data that lets us measure how we’re doing, what’s effective, allows us to tease out patterns and trends. If this and other surveys dependent on federal money go, we’re screwed.”

Indeed, if one looks at the iconic seafood resources of the Chesapeake, those that are doing well, such as blue crabs and striped bass, are ones where excellent, long-term monitoring and species population data gave politicians the courage to take strong management actions. Oysters, American shad – species where data was inadequate – have fared poorly.

Overall things clearly have begun looking up for the bay. The annual summer ‘dead zone’ has begun shrinking and does not last as long. Water clarity is improved, allowing more light to seagrasses which cover more acres than in decades. And pollution levels in the majority of the bay’s rivers are trending downward.

Yet the Chesapeake recovery appears in jeopardy not just from the proposed EPA budget cuts, but perhaps more so from Trump’s recent executive orders, says Jon Mueller, vice president for litigation at the Chesapeake Bay Foundation. These orders will undercut wetlands protections, roll back auto mileage and clean air standards, and allow more coal burning – the major source of the mercury contaminating the bay’s seafood.

“People are surprised that air pollution is a third of bay pollution,” Mueller says. “They don’t realize how their car’s miles per gallon can make the bay sicker.” Recent progress in reducing air pollution – mainly to benefit human health – is credited with a significant role in the modest turnaround in bay water quality in the last few years.

Last but not least in Trump-related threats to the Chesapeake recovery is his appointment of Oklahoma Attorney General Scott Pruitt to lead the EPA. Pruitt was one of several state attorneys general who joined a lawsuit to overturn EPA’s Chesapeake cleanup, filed in 2011 by the American Farm Bureau and other development and agribusiness industries.




The suit was explicitly to insure the federal government would not take the “national model” of Chesapeake recovery to other regions of the country, say Mueller and EPA officials. The suit was triggered by EPA’s decision in 2010 to replace the voluntary approach to the bay’s cleanup, which was not working, with a more regulatory approach that EPA officials now credit with the recent turnaround in water quality.

A federal judge in 2013 rejected the suit’s claims of “federal overreach” with a ringing declaration of support for the Clean Water Act that, as the judge’s ruling put it, “envisioned a strong federal role” in reducing pollution. The strategy of EPA setting overall cleanup goals together with the states, and then helping states find their own ways to meet them, was the essence of “cooperative federalism,” the court said. The decision was upheld at every level, and the U.S. Supreme Court declined to hear appeals.

So despite Pruitt’s pledges to support the Chesapeake cleanup at his confirmation hearings, bay managers remain skeptical. They say attempts so far to meet with him or involve him in Chesapeake summit meetings have failed.

Pennsylvania is a prime example of why strong federal oversight is critical to Chesapeake restoration. With a small portion of the southern tier of New York state, it drains 40 percent of the Chesapeake’s basin down the Susquehanna River, which supplies nearly half of all the bay’s freshwater. Pennsylvania’s tens of thousands of farms produce enough pollution that without successful cleanup there, Maryland’s and Virginia’s efforts cannot succeed, all studies show.

Pennsylvania is far behind in meeting its bay cleanup deadlines – and probably was not going to meet them fully by the 2025 deadline EPA has set, no matter who won last November’s election. Politically, the state owns not a square foot of the Chesapeake, and it is struggling with large budget deficits.

“If Pruitt does not back a strong EPA presence [which can include blocking permits and suspending money], then it’s Pennsylvania, exit stage left,” said a federal bay manager who spoke off the record.

Environmentalists say they’re hoping they can make an economic case for cleaning up the Chesapeake that will resonate.

“My boss [Pennsylvania Governor Tom Wolf] has told us ‘stay the course’ with the Chesapeake,” says Cindy Dunn, the state Secretary of Conservation and Natural Resources. “But the net effect of all the federal rollbacks and cuts, if they become reality, it’ll be a big loss of momentum here. It takes so much energy here to keep moving on the Chesapeake… Even if we get the money back, signaling that the federal government is no longer committed does damage. It gives permission to those who’d prefer to back off our commitments.”

Congress will set the final budget. Environmentalists and bay managers say they’re hoping they can make an economic case for the Chesapeake that will resonate. Some 820,000 jobs are connected to the bay, from construction work on sewage treatment plants and stormwater projects, to recreation, wildlife tourism, and the fishing and boating industries. A Chesapeake Bay Foundation study estimates a fully restored bay would add $22 billion a year to the region’s economy – benefits that include higher property values, more seafood production, and a suite of “ecosystem services” such as enhancing the capacity of wetlands and forests to filter pollution, control flooding, and enhance air quality.

“It would be a shame to lose support just when we all agree things are turning around,” says Beth McGee, the bay foundation’s senior scientist. “Trump has flip-flopped on bigger things than this already, so why not take credit for a Chesapeake comeback.”

Or perhaps, Walter Boynton suggests, “an enormous fish kill around Mar a Lago would help.”



--------------------------------------------------------

Tom Horton has written about the Chesapeake Bay in eight books and for the The Baltimore Sun and other publications for 45 years. He currently teaches in the Environmental Studies Department at Salisbury University and writes the Chesapeake Born column for the monthly Bay Journal.

---------------------------------------------------------

Fonte: Yale Environment 360



----------------------------------------------------------


LEIA TAMBÉM:

DESPOLUIÇÃO DAS BAÍAS DE GUANABARA E CHESAPEAKE: uma comparação das experiências, reflexões e algumas lições
The economic benefits of cleaning up the Chesapeake
Maryland - estado irmão do Rio de Janeiro - avança em políticas públicas para a sustentabilidade
Mestranda da UFF faz visita técnica a Maryland para estudar impactos ambientais de dragagens
BAÍA DE GUANABARA: Proposta de novo modelo de gestão é apresentado pelo governo estadual
Estados do Rio e Maryland se unem para despoluir Baía de Guanabara
RJ e Maryland debatem, em Niterói, cooperação para a despoluição da Baía de Guanabara
Rio assina acordos de cooperação com Estado de Maryland
Governador de Maryland, Martin O'Malley, estará em Niterói na quinta












quinta-feira, 27 de abril de 2017

NITERÓI RECEBE AS MELHORES DUPLAS DA TEMPORADA 2016/2017



A praia de Icaraí, em Niterói (RJ) será palco do Superpraia 2017. Créditos: Paulo Frank/CBV.


Presente dez temporadas do Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia, Niterói (RJ) será o placo do evento que encerra o ciclo nacional 2016/2017. A quarta edição do Superpraia acontece entre os dias 27 e 30 de abril na praia de Icaraí, às margens da Baía de Guanabara, e reunirá as melhores duplas brasileiras da modalidade (16 de cada gênero – sendo 14 pelo ranking e duas por convite), em busca do troféu de campeão. O evento ainda contará com a festa que premiará os destaques do ano.

Pela primeira vez a competição terá quatro dias de duração, com o início do torneio feminino na quinta-feira (27.04), e o masculino na sexta-feira (28.04). A apaixonada torcida niteroiense poderá ver de perto as feras da modalidade, entre eles 12 atletas olímpicos, incluindo todos os que estiveram na Rio 2016, além das duplas campeãs do tour nacional da temporada atual: Álvaro Filho/Saymon (PB/MS) e Larissa/Talia (PA/AL).

Os atletas também terão um atrativo especial. O Superpraia possui premiação dobrada em relação às demais etapas do Circuito Brasileiro. Os campeões nos dois naipes recebem R$ 79,9 mil e a competição conta com uma festa para eleger os destaques da temporada. Serão oito categorias técnicas, decididas pelos atletas e treinadores (levantamento, recepção, bloqueio, saque, defesa, ataque, atleta que mais evoluiu e melhor jogador) e uma votação popular, que elegerá o ‘craque da galera’, com votação no site: http://voleidepraia.cbv.com.br/craque-da-galera

No histórico da competição, que é realizada desde 2014, os campeões olímpicos Alison e Bruno Schmidt (ES/DF) dominam entre os homens e ficaram no topo do pódio em todas as edições. No feminino, a primeira edição, em Salvador (BA), em 2014, Taiana e Talita venceram, enquanto nos dois anos seguintes, em Maceió (AL) e João Pessoa (PB), Ágatha e Bárbara foram bicampeãs.

Estão inscritos no naipe masculino Álvaro Filho/Saymon (PB/MS), Alison/Bruno Schmidt (ES/DF), Pedro Solberg/Guto (RJ), André/Evandro (ES/RJ), Hevaldo/Oscar (CE/RJ), Thiago/George (SC/PB), Léo Gomes/Ferramenta (RJ), Vitor Felipe/Jô (PB), Pedro/Felipe Cavazin (PB/PR), Benjamin/Moisés (MS/BA), Bruno/Fernandão (AM/ES), Márcio Gaudie/Jeremy (RJ), Averaldo/Léo Vieira (TO/DF), Eduardo Davi/Arthur Lanci (PR), Gilmário/Bernardo Lima (PB/CE) e Luciano/Harley (ES/DF).

No naipe feminino estão inscritas as duplas Larissa/Talita (PA/AL), Ágatha/Duda (PR/SE), Taiana/Elize Maia (CE/ES), Ana Patrícia/Rebecca (MG/CE), Juliana/Carol Solberg (CE/RJ), Bárbara Seixas/Fernanda Berti (RJ), Val/Ângela (RJ/DF), Lili/Josi (ES/SC), Tainá/Victoria (SE/MS), Renata/Thati (RJ/PB), Rachel/Izabel (RJ/PA), Semírames/Luiza Amélia (SP/CE), Maria Elisa/Carol Horta (PE/CE), Andrezza/Vivian (AM/PA), Érica Freitas/Neide (MG/AL) e Flávia/Rafaela (RJ/PA).

SISTEMA DE DISPUTA

O Superpraia será realizado em quatro dias, com apenas disputas femininas no primeiro dia (27.04), com a fase de grupos. Na sexta-feira (28.04), é a vez da estreia masculina e repescagem (Round 1) e quartas de final femininas. No sábado (29.04) serão disputadas a repescagem (Round 1), quartas de final e semifinais masculinas, enquanto entre as mulheres é o dia de semifinais e a decisão por medalhas. O domingo (30.04) sedia as disputas de bronze e a final masculina. As decisões terão transmissão ao vivo do SporTV.

Os primeiros colocados de cada grupo - nos dois naipes - avançam direto às quartas de final, enquanto segundos e terceiros de cada chave disputam o Round 1 (repescagem). Os vencedores das quartas avançam às semifinais.

CREDENCIAMENTO

Os jornalistas e fotógrafos interessados em realizar a cobertura do Superpraia em Niterói devem enviar pedido de credenciamento com nome completo, função, veículo e RG para o e-mail ‘imprensa@volei.org.br’. A retirada das credenciais será realizada na própria arena, na sala de imprensa, na quinta-feira (27.04) das 9h às 15h, na sexta-feira (28.04) das 9h às 17h e no sábado (29.04), das 9h às 17h.

Os profissionais deverão apresentar-se com o crachá funcional do veículo pelo qual trabalham ou com uma carta de solicitação de credenciamento em papel timbrado do mesmo, assinado pelo chefe de reportagem ou editor. O jornalista Rogério Carvalho (21 994227157) realizará o credenciamento e auxiliará a imprensa.

Importante: Não haverá entrega de credenciais no domingo (30-04).

SERVIÇO - SUPERPRAIA NITERÓI (RJ)

ONDE: Praia de Icaraí

QUANDO: De quinta-feira (27.04) a domingo (30.04)

HORÁRIO: Quinta, das 9h às 15h; Sexta, das 8h às 18h; Sábado, das 9h às 19h; Domingo, das 10h às 12h

ENTRADA GRATUITA

CAMPEÕES DO SUPERPRAIA

2014 – Salvador (BA) – Taiana/Talita (CE/AL) e Alison/Bruno Schmidt (ES/DF)

2015 – Maceió (AL) – Ágatha/Bárbara Seixas (PR/RJ) e Alison/Bruno Schmidt (ES/DF)

2016 – João Pessoa (PB) - Ágatha/Bárbara Seixas (PR/RJ) e Alison/Bruno Schmidt (ES/DF)

CAMPEÕES EM NITERÓI

1992 – Niterói – Isabel/Jacqueline (RJ) e Paulão/Paulo Emílio (BA)

1993 – Niterói – Isabel/Roseli (RJ) e Franco/Roberto Lopes (CE)

1994 – Niterói – Mônica/Adriana (RJ) e Aloizio/Emanuel (ES/PR)

1995 – Niterói – Jacqueline/Sandra Pires (RJ) e Alemão/André (DF)

1996 – Niterói – Adriana Behar/Shelda (RJ/CE) e Guilherme/Pará (RJ)

1999 – Niterói – Adriana Behar/Shelda (RJ/CE) e Márcio/Benjamin (CE/MS)

2001 – Niterói – Adriana Behar/Shelda (RJ/CE) e Tande/Emanuel (RJ/PR)

2002 – Niterói – Adriana Behar/Shelda (RJ/CE) e Lula/Adriano (PE)

14/15 – Niterói – Larissa/Talita (PA/AL) e Alison/Bruno Schmidt

15/16 – Niterói – Larissa/Talita (PA/AL) e Oscar/André Stein (RJ/ES)

O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do voleibol brasileiro.

Fonte: CBV




-------------------------------------------------------------


LEIA TAMBÉM:

NITERÓI RECEBE AS MELHORES DUPLAS DA TEMPORADA 2016/2017













SUPERPRAIA: Estrelas do vôlei nas areias niteroienses



A Arena da Praia de Icaraí está pronta para receber as 32 principais duplas do País na busca pelo título da quarta edição do Superpraia, entre esta quinta e domingo. Foto: Marcelo Feitosa



Matheus Oliveira

Praia de Icaraí recebe de hoje até domingo a 4ª edição do Superpraia

Uma verdadeira celebração do vôlei de praia nacional com jogos em alto nível em uma das belas paisagens do País. Essas são as atrações que envolvem a disputa da quarta edição do Superpraia, etapa que reúne as 16 melhores duplas do Circuito Brasileiro nos naipes masculino e feminino. A competição acontece desta quinta-feira (26) até domingo, na Praia de Icaraí. As disputas desta quinta ocorrem das 9h às 15h.

O torneio contará com 16 duplas femininas e 16 masculinas, divididas em quatro grupos com quatro equipes cada. As duplas que ficarem em primeiro se garantem nas quartas de final automaticamente. Já os segundos e terceiros colocados das chaves disputam a repescagem para definir os confrontos da fase final. Nesta quinta-feira ocorrerão apenas disputas da fase de grupos das chaves femininas. Na sexta-feira (28) será a vez da estreia masculina e repescagem e quartas de final femininas. No sábado serão disputadas a repescagem, quartas de final e semifinais masculinas, enquanto entre as mulheres é o dia de semifinais e a decisão por medalhas. O domingo sedia as disputas de bronze e a final masculina. A competição contará com premiação dobrada, com os campeões recebendo R$ 79,9 mil.

Estão inscritos no masculino Álvaro Filho/Saymon (PB/MS), Alison/Bruno Schmidt (ES/DF), Pedro Solberg/Guto (RJ), André/Evandro (ES/RJ), Hevaldo/Oscar (CE/RJ), Thiago/George (SC/PB), Léo Gomes/Ferramenta (RJ), Vitor Felipe/Jô (PB), Pedro/Felipe Cavazin (PB/PR), Benjamin/Moisés (MS/BA), Bruno/Fernandão (AM/ES), Márcio Gaudie/Jeremy (RJ), Averaldo/Léo Vieira (TO/DF), Eduardo Davi/Arthur Lanci (PR), Gilmário/Bernardo Lima (PB/CE) e Luciano/Harley (ES/DF).

As duplas femininas serão Larissa/Talita (PA/AL), Ágatha/Duda (PR/SE), Taiana/Elize Maia (CE/ES), Ana Patrícia/Rebecca (MG/CE), Juliana/Carol Solberg (CE/RJ), Bárbara Seixas/Fernanda Berti (RJ), Val/Ângela (RJ/DF), Lili/Josi (ES/SC), Tainá/Victoria (SE/MS), Renata/Thati (RJ/PB), Rachel/Izabel (RJ/PA), Semírames/Luiza Amélia (SP/CE), Maria Elisa/Carol Horta (PE/CE), Andrezza/Vivian (AM/PA), Érica Freitas/Neide (MG/AL) e Flávia/Rafaela (RJ/PA).

A competição será realizada pela quarta vez, tendo Alison/Bruno Schmidt como campeões dos anos anteriores. No feminino, Taiana e Talita venceram na primeira temporada, enquanto Ágatha/Bárbara foram bicampeãs nos anos posteriores. A competição reúne as 14 melhores duplas do Circuito Brasileiro da temporada 2016/2017, além de dois convites em cada naipe. O Circuito foi disputado ao longo de nove etapas e teve Álvaro Filho/Saymon no masculino e Larissa/Talita no feminino.

Fonte: O Fluminense


---------------------------------------------------------------


LEIA TAMBÉM:

Niterói se consagra como cidade de eventos esportivos










PROTEÇÃO ANIMAL: Delegacias do Fonseca e Icaraí irão investigar abandono de animais







Geovanne Mendes

Evitar uma prática comum na cidade e enquadrar quem pratica esse ato. É isso o que promete a Coordenadoria Especial de Direitos dos Animais de Niterói, que vem registrando a cada dia um aumento no número de casos de animais abandonados na cidade, principalmente no Campo de São Bento, em Icaraí, e no Horto do Fonseca, dois lugares públicos de grande movimentação de pessoas e que entre março e a primeira quinzena de abril contabilizou 30 animais abandonados, principalmente cachorros. Por isso, a Coordenadoria está tendo o auxílio das delegacias responsáveis por essas duas áreas, a 77ª DP em Icaraí e a 78ª DP no Fonseca para identificar quem comete este crime, tipificado no código penal e que pode levar ao infrator pena de seis meses a 1 ano de detenção e multa.

“As pessoas pensam que cuidar de um animal é fácil e saem comprando como se fossem mercadorias, só que depois, com o tempo, vêm os gastos, doenças, imprevistos, como qualquer outro ser vivo e muita gente não está preparada para isso. Acreditamos também que a crise financeira aumentou ainda mais esses casos. Por isso estamos contado com a ajuda da Polícia Civil e queremos estender isso para todas as delegacias de Niterói e também contamos com a ajuda das câmeras de monitoramento do Centro Integrado de Segurança Pública (Cisp) para identificar e prender essas pessoas”, conclui Daniel Marques, responsável pela Coordenadoria de Direitos dos Animais.

Uma grande ajuda para socorrer os animais que sofrem abandonos são os chamados protetores, pessoas que se unem em uma espécie de rede de amor para proteger aqueles que são considerados os maiores e verdadeiros amigos do homem: os cães e gatos.

Janaina Voigt trabalha voluntariamente como protetora de animais há três anos, neste tempo ela já resgatou cerca de 200 animais das ruas, totalmente abandonados, não só no Campo de São Bento e no Horto, mas animais encontrados em diversos outros bairros da cidade. Ela acredita que além do apoio da polícia, a castração é outro fator fundamental para a redução no aumento de animais, principalmente gatos que se reproduzem a cada dois meses.

“Acho toda forma de proteção aos animais formidável, porém esse problema não para por aí. O momento de crise deixa as pessoas sem saber o que fazer e o poder público deve se responsabilizar pela castração destes animais. A castração na cidade, gratuita, que estava prevista para começar em abril, ainda não foi aberta ao público, o que ajudaria e muito a diminuir o número de animais abandonados”, completou a Protetora de Animais.

Em nota, a prefeitura informou que a castração gratuita é realizada no Centro de Controle de Zoonoses da cidade, que fica na Avenida Ernani do Amaral Peixoto, 169, sala 507, no Centro. O agendamento para cirurgias será a partir de maio. Informações pelo telefone 2625-8441.

GPAm resgata animais abandonados em SG

Na última semana, guardas municipais do Grupamento de Proteção ao Meio Ambiente (GPAm) realizaram diversas apreensões de animais abandonados por São Gonçalo. O saldo contabilizado foram dois cães, uma jiboia e um cavalo, que estava solto no bairro Engenho Pequeno e foi resgatado na tarde de ontem. O proprietário não foi localizado.

“O GPAm, diariamente, realiza apreensões de animais soltos ou abandonados que apresentem risco de transmissão de doença aos moradores, risco de acidentes nas vias da cidade e também risco de morte. Além de retirar das ruas e oferecer chances de sobrevivência para os animais”, diz o prefeito José Luiz Nanci.

Costelinha – nome carinhoso dado pelos Guardas – é uma cadelinha com cerca de um mês de vida que foi resgatada último dia 17 no acesso para a Área de Proteção Ambiental (APA) do Engenho Pequeno. O animal já foi adotado.

Outro cão resgatado é um macho, de grande porte, que está com ferimentos próximos ao focinho e foi pego na Rua Nair Quintela, na entrada do Boaçu. Os guardas esperam que o dono seja localizado, caso contrário será doado. O animal é dócil, mas está um pouco abatido e, embora receba cuidados da GM, necessita de cuidados veterinários que a corporação não dispõe no momento.

Na manhã da última segunda, o GPAm foi acionado por moradores de um condomínio do bairro Engenho Pequeno para fazer a remoção de uma jiboia, que mede cerca de 1,70 metro e estava num condomínio aos pés da APA. Fora do seu habitat natural, o réptil foi levado para a sede do GPAm e será solta, ainda esta semana, na trilha dos eucaliptos, localizada dentro da APA.

“Esses animais abandonados em meio urbano oferecem grande risco à população, pois muitos ficam em terrenos baldios, beiradas de rua e se alimentam de restos de comida jogados no lixo. Além de cuidar da integridade física dos animais, nos preocupamos também com a saúde e a integridade física das pessoas”, explica Sérgio Fonseca, coordenador de Proteção Animal da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma).

O cavalo resgatado no Engenho Pequeno foi encaminhado ao Curral de Tanguá, através de um termo de cooperação técnica firmado entre a Semma e aquele município. Os animais apreendidos são submetidos a diversos exames veterinários e recebem o devido tratamento, até que o dono seja localizado. Caso contrário, ele será leiloado.

Quem identificar animais abandonados no município pode fazer denúncias pelo número 2199-6511.


Fonte: A Tribuna











quarta-feira, 26 de abril de 2017

Começa vacinação contra gripe em Niterói





24/4/2017 - A imunização contra a gripe já está disponível em mais de 50 salas de vacina de Niterói, localizadas nas Policlínicas Regionais, Policlínicas Comunitárias, Unidades Básicas de Saúde e módulos do Programa Médico de Família, de segunda a sexta, das 8h às 17h. A Campanha Nacional de Vacinação Contra a Gripe vai até 26 de maio, tendo o sábado, 13 de maio, como o dia de grande mobilização. A vacina é fabricada com partículas inativadas dos vírus H1N1, H3N2 e B e, portanto, é incapaz de produzir a doença.

O público-alvo da campanha é formado por pessoas a partir de 60 anos, crianças de seis meses a menores de cinco anos (quatro anos, 11 meses e 29 dias), trabalhadores de saúde, professores das redes pública e privada, povos indígenas, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), pessoas privadas de liberdade – o que inclui adolescentes e jovens de 12 a 21 anos em medidas socioeducativas – e os funcionários do sistema prisional. Portadores de doenças crônicas não transmissíveis, que inclui pessoas com deficiências específicas, devem levar a prescrição médica especificando o motivo da indicação da vacina. A meta da Fundação Municipal de Saúde (FMS) é imunizar pelo menos 90% de cada grupo.

A secretária municipal de Saúde, Maria Célia Vasconcellos, informa que mesmo quem se vacinou no ano passado precisa se imunizar este ano, já que a composição da vacina sofreu alterações, de acordo com orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“As pessoas que fazem parte dos grupos mais vulneráveis devem se vacinar todos os anos. Isso porque, mesmo quando as cepas dos vírus permanecem as mesmas, a quantidade de anticorpos diminui ao longo dos meses, reduzindo o grau de proteção. A grande novidade deste ano é que professores da rede pública e privada também devem tomar a vacina para se proteger da gripe”, explica Maria Célia, revelando que a meta é vacinar 162.762 pessoas em Niterói.

A vacina é contraindicada para pessoas com história de reação anafilática ou alergia grave relacionada ao ovo de galinha e seus derivados, assim como a qualquer componente da vacina. Pessoas que estão com os sintomas da gripe, desde que não estejam com febre, podem tomar a vacina. A imunização contra gripe pode ocorrer ao mesmo tempo que a vacinação contra febre amarela.

Após a vacinação, podem ocorrer manifestações locais como vermelhidão, endurecimento, dor e sensibilidade no local da injeção. É possível também que apareçam febre, mal-estar e dor no corpo, que podem começar entre 6 e 12 horas após a vacinação e persistir por um a dois dias. Essas manifestações são mais frequentes em pessoas que são vacinadas pela primeira vez, por exemplo, as crianças.

Aos 63 anos, a aposentada Maria José Shubert não pensa duas vezes: logo que começa a vacinação contra gripe, procura um posto de saúde para se imunizar. “A prevenção contra a gripe é muito importante, ainda mais na nossa idade. Saúde é saúde e temos que nos cuidar”, aconselha a idosa.

No caso da jovem estudante Etiene Brasil de Carvalho, de 15 anos, é a mãe Viviane Lopes, que fica de olho no calendário de imunização:

“A Etiene tem asma. Então quando começa a vacinação já levo no posto de saúde para garantir que ela fique bem. E como essa medida simples ajuda! Ela praticamente não fica doente porque tomamos esses cuidados básicos”, conta Viviane.

Documentos – Para receber a dose, as pessoas que fazem parte dos grupos-alvo da campanha devem comparecer às unidades de saúde levando carteira de identidade e outros comprovantes, de acordo com os grupos a que pertencem: trabalhadores da Saúde ou da Educação devem apresentar identidade profissional ou crachá; crianças de 6 meses até 4 anos, 11 meses e 29 dias, o cartão de vacinação; pessoas com 60 anos ou mais, a identidade; pessoas com doenças crônicas (a partir de 5 anos de idade), a solicitação médica, com indicação da doença; as puérperas, a certidão de nascimento do bebê ou cartão do pré-natal ou cartão de vacinação do bebê; e as gestantes só precisam declarar que estão grávidas.

A doença – A Influenza, comumente conhecida como gripe, é uma doença viral febril, aguda, geralmente benigna e autolimitada. Frequentemente é caracterizada por início abrupto dos sintomas, que são predominantemente sistêmicos, incluindo febre, calafrios, tremores, dor de cabeça, mialgia e anorexia, assim como sintomas respiratórios com tosse seca, dor de garganta e coriza. A infecção geralmente dura uma semana e com os sintomas sistêmicos persistindo por alguns dias, sendo a febre o mais importante.

Os vírus influenza são transmitidos facilmente por aerossóis produzidos por pessoas infectadas ao tossir ou espirrar. Existem 3 tipos de vírus influenza: A, B e C. O vírus influenza C causa apenas infecções respiratórias brandas, não possui impacto na saúde pública e não está relacionado com epidemias. O vírus influenza A e B são responsáveis por epidemias sazonais, sendo o vírus influenza A responsável pelas grandes pandemias.

Algumas pessoas, como idosos, crianças novas, gestantes e pessoas com alguma comorbidade possuem um risco maior de desenvolver complicações devido à influenza. A vacinação é a intervenção mais importante na redução do impacto da influenza.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, estima-se que a influenza acomete 5% a 10% dos adultos e 20% a 30% das crianças, causando de 3 milhões a 5 milhões de casos graves e 250 mil a 500 mil mortes todos os anos.

Salas de vacina – Policlínicas Dr. Carlos Antônio da Silva - Rua Jansen de Mello s/nº, São Lourenço; Dr. Sérgio Arouca, Praça Vital Brazil s/nº – Santa Rosa; Dr. Guilherme Taylor March - Rua Desembargador Lima Castro, 238, Fonseca; Dr. Francisco da Cruz Nunes - Rua Ver. Armando Ferreira, 30, Largo da Batalha; Assistente Social Maria Aparecida da Costa - Est. Engenho do Mato s/nº, Itaipu; Dr. Renato Silva - Av. João Brasil, s/nº- Engenhoca, Rua Jornalista Sardo Filho, 196, Ilha da Conceição; Av. Carlos Ermelindo Marins s/nº, Jurujuba; Av. Colônia s/nº, Caramujo; Professor Barros Terra - Rua Alcebíades Pinto, s/nº, Cantagalo; e Dr. Joãoda Silva Vizella, Rua Luiz Palmier, 726 – Barreto.

Unidades Básicas de Saúde (USB) do Centro, Morro do Estado, Santa Bárbara, Engenhoca, Baldeador e Piratininga.

Programa Médico de Família (PMF) e Clínica Comunitária da Família (CCF): Alarico, Atalaia, Bernardino, Cafubá I, Cafuba II, cafuba III, Cantagalo, Caramujo, Colônia, Engenho, Grota I, Grota II, Ititioca, Jonathas Botelho, Jurujuba, Leopoldina, Maceió, Maravista, Marítimos, Maruí, Matapaca, Nova Brasília, Palácio, Preventório I, Preventório II, Souza Soares, Viçoso, Vila Ipiranga, Viradouro, Vital Brasil e CCF Badu, Ilha da Conceição, Teixeira de Freitas e Várzea das Moças, Morro do Céu e Cavalão.





--------------------------------------------------------------


LEIA TAMBÉM:

Prefeitura amplia vacinação contra febre amarela em Niterói






Prefeitura amplia vacinação contra febre amarela em Niterói





26/4/2017 - A Prefeitura de Niterói ampliou as salas de vacinação contra a febre amarela na cidade. A partir desta quinta-feira (27), a população pode procurar a imunização no Programa Médico de Família (PMF) Cafubá II, Cafubá III, Matapaca, Badu, Maravista, Cantagalo, e Caramujo, na Clínica Comunitária da Família de Várzea das Moças, e nas Unidades Básica de Saúde (UBS) de Piratininga, Santa Bárbara e do Baldeador (Morro do Castro). Outra novidade é que uma equipe do Programa Médico de Família está mobilizada para vacinar a população que reside em áreas próximas a matas e fronteiras com outros municípios, como Várzea das Moças, Muriqui, Matapaca e Região Oceânica.

Esta é a segunda vez que a Fundação Municipal de Saúde amplia a vacinação contra febre amarela em Niterói para atender a demanda da população. Em março, a Policlínica Comunitária de Jurujuba e o Médico de Família do Engenho do Mato passaram a aplicar as doses, além das policlínicas regionais do Centro, Santa Rosa, Itaipu, Fonseca, Largo da Batalha e Engenhoca, que já ofereciam o serviço. Em todos os locais, a imunização ocorre de segunda a sexta, das 8h às 16h.

A secretária de Saúde de Niterói, Maria Célia Vasconcellos, explica que não há caso de febre amarela em Niterói há mais de 10 anos, mas que desde março a Fundação Municipal de Saúde está solicitando ao Governo do Estado novas remessas de vacinas e reforçou a vacinação contra doença devido aos casos em outros municípios. A vacina sempre esteve disponível na rede municipal de Saúde, mas enquanto no ano passado eram realizadas, em média, 300 aplicações por mês, este ano já foram imunizadas mais de 160 mil pessoas – a frequência chegou a 5 mil pessoas por dia.

"A partir desta quinta-feira estaremos com mais salas de vacinação. É importante a população observar todos os pontos de vacina, já que temos presenciado algumas unidades, como a de Santa Rosa/Vital Brazil e a de Itaipu, com uma procura muito grande, enquanto outras estão mais vazias. Pedimos também para aqueles que tem um horário mais flexível, comparecer às unidades na parte da tarde, período com menor demanda", aconselha a secretária.

Na Policlínica de Itaipu, na Região Oceânica, houve grande procura pela vacinação na manhã de hoje. Renata Soares, de 27 anos, moradora do bairro, elogiou os profissionais: “Apesar da fila, os profissionais são atenciosos e o procedimento rápido. Minha família já tinha tomado a vacina e eu fiz o mesmo, acho muito importante se proteger da febre amarela”, declara Renata.

A equipe volante do Médico de Família percorreu as ruas de Várzea das Moças hoje. O morador Claudinei Soares de Alvarenga, de 48 anos, aproveitou para vacinar seus dois filhos, Eduardo, de 10 anos, e Vitória, de 7.

“Achei excelente essa iniciativa de vacinação nas residências dessa região, já que é área de mato e permite que todos sejam imunizados contra a doença. Além disso, a equipe é muito atenciosa e já conhecida pelos moradores que são atendidos pela Clínica da Família, o que facilita, pois temos confiança”, conta Claudinei.

Segundo a Secretaria de Estado de Saúde, responsável pela estratégia de vacinação, Niterói não está na área de recomendação da vacina, por isso a imunização está sendo realizada de forma escalonada e tem previsão para ser concluída até o fim do ano. A recomendação do Governo do Estado é que sejam imunizados prioritariamente moradores de áreas rurais e pessoas que se desloquem para áreas de risco.

Contraindicação – A vacina é contraindicada para pessoas com alergia a algum componente da vacina e alergia a ovos e derivados; pessoas com doença febril aguda, com comprometimento do estado geral de saúde; ou ainda pacientes com doenças que causam alterações no sistema de defesa (nascidas com a pessoa ou adquiridas), assim como terapias imunossupressoras – quimioterapia e doses elevadas de corticosteroides, por exemplo; indivíduos portadores de Lúpus Eritematoso Sistêmico ou com outras doenças autoimunes; pacientes que tenham apresentado doenças neurológicas de natureza desmielinizante (Síndrome de Guillain-Barré, ELA, entre outras) no período de seis semanas após a aplicação de dose anterior da vacina; pacientes transplantados de medula óssea; pacientes com histórico de doença do Timo; crianças menores de seis meses de idade; crianças menores de dois anos de idade que não tenham sido vacinadas contra febre amarela não devem receber as vacinas tríplice viral ou tetra viral junto com a vacina contra FA. O intervalo entre as vacinas deve ser de 30 dias.

Gestantes, mulheres que estejam amamentando, bebês maiores de seis meses e menores de nove meses e idosos com mais de 60 anos que residam em área de circulação do vírus devem passar por um profissional de saúde para avaliar a possibilidade de vacinação.

Seguindo recomendação da Organização Mundial da Saúde, o Ministério da Saúde adotou os padrões internacionais da dose única. Ou seja: quem toma a vacina da febre amarela no Brasil está imunizado pelo resto da vida.

A doença – Há duas formas de transmissão de febre amarela: silvestre e urbana. As duas são causadas pelo mesmo vírus, mas se diferem pelo vetor de transmissão. A forma urbana é transmitida pelo Aedes aegypti e, de acordo com o Ministério da Saúde, desde os anos 40, o Brasil não registra casos deste tipo da doença. Já a silvestre é transmitida pelos mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes, insetos de hábitos estritamente silvestres. Quando o mosquito pica um macaco ou uma pessoa doente, que está com febre amarela, ele torna-se capaz de transmitir o vírus.

Os sinais e sintomas mais comuns da doença são: febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos que duram, em média, três dias. Nas formas mais graves da doença, podem ocorrer icterícia (olhos e pele amarelados), problemas no fígado e nos rins, hemorragia e cansaço intenso.

Postos de vacinação contra febre amarela em Niterói

Policlínica Regional Dr. Carlos Antônio da Silva
Rua Jansen de Mello s/nº - São Lourenço
Tel.: 2717-1426 e 2719-0050

Policlínica Regional Dr. Sérgio Arouca
Praça Vital Brazil s/nº - Santa Rosa
Tel.: 2711-2366

Policlínica Regional Dr. Guilherme Taylor March
Rua Desembargador Lima Castro, 238 – Fonseca
Tel.: 2626-4170

Policlínica Regional do Largo da Batalha Dr. Francisco da Cruz Nunes
Rua Ver.Armando Ferreira, 30 – Largo da Batalha
Tel.: 2616-3633 e 2710-7100

Policlínica Regional de Itaipu Assistente Social Maria Aparecida da Costa
Estrada do Engenho do Mato s/nº - Itaipu
Tel.: 2609-6368 e 2709-1579

Policlínica Regional da Engenhoca Dr. Renato Silva
Avenida João Brasil, s/nº - Engenhoca
Tel.: 2628-8047 e 3603-8874

Policlínica Comunitária de Jurujuba
Av. Carlos Ermelindo Marins s/nº - Jurujuba
Tel.: 2704-9638 e 2704-9668

Médico de Família do Engenho do Mato
Estrada Irene Lopes Sodré s/nº - Engenho do Mato
Tel.: 2709-5222

PMF Cantagalo - Haidée Santamaria
Estrada Francisco Cruz Nunes s/nº - Cantagalo
Tel.: 2616-50l37

PMF Cafubá II - Ernesto Che Guevara
Rua Vereador Luiz Erthal, Lt. 05, Qd. 69 – Cafubá
Tel.: 2619-5268

PMF Cafubá III - Alberto Ricardo Hatin
Rua Manoel Pacheco de Carvalho 107 – Piratininga
Tel.: 2709-4374

PMF Maravista - Cte. Manoel Piñeiro Lozada
Rua Astor da Costa Menezes, S/Nº - Maravista
Tel.: 2709-0360

PMF Matapaca - Abelardo Ramirez
Rua Aurora Ribeiro, nº 5 - Pendotiba
Tel.: 2617-9269

PMF Badu
Av. Nelson de Oliveira e Silva, 63 – Badu
Tel.: 2718-2283

PMF Caramujo
Rodovia Amaral Peixoto, S/n, Baldeador
Tel.: 2625-9467

Clínica Comunitária da Família de Várzea Das Moças - Dr. Tobias Tostes Machado
Estrada Velha de Maricá s/nº - Várzea das Moças
Tel.: 3602-8057

UBS Baldeador - Deputado José Sally
Lot.Bento Pestana s/nº - Morro do Castro
Tel.: 2624-1224 e 2722-3761

UBS Piratininga - Dom Luiz Orione
Av. dos Pescadores – Lotes 2,3 e 4 – Piratininga
Tel.: 2618-2654

UBS Santa Bárbara - Adelino de Mendonça e Silva
Rua Jandira Pereira, 625 - Santa Bárbara
Tel: 2627-6303

Fonte: Prefeitura de Niterói



--------------------------------------------------------

LEIA TAMBÉM:

Começa vacinação contra gripe em Niterói








Mosquitos anti-Aedes são soltos em São Francisco



Mosquitos foram soltos na manhã desta quarta-feira (26). Foto: Divulgação



Método reduz a transmissão dos vírus da dengue, Zika e chikungunya

Marina Assumpção

Mosquitos que combatem o Aedes aegypti com a bactéria Wolbachia foram soltos em São Francisco, Zona Sul de Niterói, na manhã desta quarta-feira (24). Essa é a etapa mais aguardada do Projeto Eliminar a Dengue: Desafio Brasil, um método inovador e natural que reduz a transmissão dos vírus da dengue, Zika e chikungunya. As liberações dos mosquitos acontecem após a conclusão das etapas de comunicação e engajamento comunitário que levam informação e dialogam com a comunidade visando tanto a disseminação do conhecimento sobre a metodologia quanto o esclarecimento.

Os bairros receberão os Aedes aegypti com Wolbachia periodicamente durante alguns meses, dependendo da forma de liberação de mosquitos determinada para cada área. Além desses bairros, outros da região de Praia de Baía e toda a Região Oceânica de Niterói também receberão o Projeto, dando sequência à expansão neste município em 2017.

Formas de Liberação - O Projeto utiliza duas formas de liberação de mosquitos Aedes aegypti com Wolbachia: a primeira é a liberação de mosquitos adultos em vias públicas e a segunda é a liberação de Aedes com Wolbachia através do Dispositivo de Liberação de Ovos (DLO), um recipiente fechado (semelhante a um balde com tampa) onde os mosquitos se desenvolvem. Os DLOs são colocados em áreas públicas e/ou propriedades privadas nos bairros que colaboram com a iniciativa. No interior do DLO há ovos de Aedes aegypti com Wolbachia, água e alimento para as larvas que vão nascer. Cerca de sete a dez dias após a instalação, os mosquitos já estarão adultos e voarão para fora, por meio dos furos existentes no dispositivo. É importante ressaltar que o DLO não possui produtos químicos ou tóxicos.

O uso de duas formas de liberação é parte da busca por metodologias que sejam ao mesmo tempo mais eficazes, de melhor custo-benefício e mais adequadas à cada área de implementação. “Devido à diversidade de características das cidades brasileiras, em termos de estrutura urbana e ambiental, escolhemos a melhor estratégia para cada área a ser trabalhada”, explica o pesquisador e coordenador geral do Projeto no Brasil, Luciano Moreira..

O método é seguro e sem qualquer risco para a população, animais e o meio ambiente. Além disso, não utiliza nenhum tipo de modificação genética. Como objetivo, tem a meta de substituir, gradualmente, a população de mosquitos Aedes aegypti de campo pelos mosquitos com a bactéria Wolbachia. Isso acontece através do cruzamento dos Aedes aegypti, na medida em que a bactéria é passada naturalmente da fêmea para os filhotes, que já nascem com a Wolbachia. Esse processo garante a autossustentabilidade do método

Fonte: O Fluminense 








PARQUE DA SERRA DA TIRIRICA: "Mais amor pelo costão, por favor"



Pichações apareceram nos últimos dias no Costão de Itacoatiara, obra de vândalos sem amor à natureza - Divulgação/Marco Terranova


Quem subiu o Costão nos últimos dias se deparou com cenas de total desamor pela natureza e por Itacoatiara

Quem subiu o Costão nos últimos dias se deparou com cenas de total desamor pela natureza e por Itacoatiara. Antes de chegar ao topo, no meio do caminho, foram feitas várias pichações, incluindo (olha que contrassenso!) um coração. Não estamos falando de arte, mas, sim, de crime ambiental e vandalismo. As fotos que denunciam a “obra” foram feitas pelo fotógrafo especializado em montanhas Marco Terranova. Só alguém com um coração de pedra para agredir o Costão...

— Itacoatiara significa pedra riscada. Por que riscar um coração em algo que já transmite emoções, já transmite a ideia de esplendor da natureza? — diz o poeta Paulo Valladão, figura querida de Itacoá.

Alexandre Ignácio, chefe do Parque Estadual da Serra da Tiririca, afirma que não é fácil remover pichações da pedra. Geralmente, essa limpeza é feita com a ajuda de voluntários, como os da Associação Niteroiense de Montanhismo. Eles usam uma espécie de lixadeira que, ali, precisa ser à bateria e, a todo momento, tem que ser levada até a sede do parque para ser recarregada. Não são aplicados produtos químicos. Em 2016, uma equipe do parque flagrou três rapazes pichando na trilha do Bananal.

— Isso é uma questão de falta de educação — diz Ignácio.

Outro poeta da Praia de Itacoatiara, Paulinho Peixuxa tem uma música que é uma declaração de amor e também um apelo. Diz um trecho da letra: “Itacoatiara cedo/na melhor onda do litoral/venho de manhãzinha e agradecendo a Deus por essa visão do Pampo, o elefante ou lá o Alto Mourão/tô na beira da mata/sou da beira do mar/preserve Itacoá”.

Pichações apareceram no meio da pedra, provocando revolta em Itacoá.

Fonte: Coluna "Fome de Quê", de Ana Cláudia Guimarães. O Globo Niterói.










terça-feira, 25 de abril de 2017

Niterói se consagra como cidade de eventos esportivos





24/4/2017 - A cidade de Niterói, que conta um relevo invejável e praias de tirar o fôlego, entrou definitivamente para a história do esporte mundial. Depois do sucesso de se consagrar em 2016 como a capital da vela durante a III Copa Brasil de Vela, em Charitas, que reuniu delegações de 42 países, além dos principais velejadores do mundo no maior evento de vela já realizado na história do Brasil, o Município abre, a partir do próximo dia 27, a temporada esportiva de 2017 com o Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia, o SuperPraia que elege os melhores dos melhores. Mais uma vez grandes craques do esporte, estarão reunidos na praia de Icaraí.

Os eventos esportivos na cidade não param por aí e delegações de países como França, Holanda, República Tcheca, Aruba, Venezuela e Japão visitarão a cidade ao longo do ano, disputando diversas categorias e modalidades esportivas.

Entre os dias 5 e 7 de maio mais de 500 atletas de 11 países participarão da Copa Rio Beach Tênis, maior competição do esporte da história do estado do Rio de Janeiro. A praia de Itacoatiara receberá em menos de dois meses os circuitos de Surf e o Itacoatiara Pro VI - Campeonato Mundial de Boadyboard, onde mais uma vez cerca de 150 atletas de várias partes do mundo competirão na cidade.

"Niterói já tem como característica ser um celeiro de craques. Eventos esportivos são importantes, pois além de projetarem a cidade internacionalmente geram impacto econômico positivo para o município e atraem os olhos para a descobertas de novos talentos. Por isso a Prefeitura está incentivando projetos que envolvam esportes como Caça Talentos que estimula os jovens ao esporte e o Motivação que são diversas modalidades a cada último final de semana do mês dos bairros. Então, os eventos estão aí e isso é muito bom " diz Luiz Carlos Gallo de Freitas, secretário de Esporte e Lazer do Município.

Circuito de Vôlei com premiação e niteroienses concorrendo ao Super Craque

A temporada esportiva do ano abre nas areias de Icaraí que receberá grandes craques do vôlei brasileiro para a final do Brasileiro de Vôlei, o Superpraia que acontece do dia 27 a dia 30 de abril. A arena já começa a ser montada na praia de Icaraí para receber as 14 melhores equipes do feminino e do masculino.

A Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) abriu votação do prêmio Craque da Galera do Circuito Brasileiro 2016/17. A eleição ocorre até o dia 26 de abril, e a entrega da premiação será realizada durante o Superpraia. Dentre os atletas que estão disputando o prêmio Craque da Galera, estão os niteroienses Márcio Tschaffon Gaudie Ley e Rachel Nunes.

Aos 17 anos Márcio deixou os jogos de futebol e começou a disputar campeonatos locais em Niterói e Rio de Janeiro. O niteroiense, entre outras premiações, tem os títulos de vice-campeão da terceira etapa do Rio de Janeiro (RJ) do Circuito Banco do Brasil Nacional 2015/2016, prata na etapa da Bolívia do Circuito Sul-Americano 2015/2016 e terceiro colocado da etapa de Buenos Aires (Argentina) do Circuito Sul-Americano 2014 além de vice-campeão mundial sub-23 em 2013.

Márcio conta que já recebeu convites para morar fora do Brasil, mas diz que não larga Niterói.

"A melhor coisa é jogar em casa, disputar entre os melhores dos melhores, num jogo na porta de casa, perto dos amigos e da família. Niterói é um grande celeiro de craques. Estamos resgatando isso, promovendo treinamento para formar novos atletas para disputarem na categoria de base carioca Sub 17 e sub 21. Circulo o Brasil inteiro competindo e Niterói não perde em nada para grandes capitais do esporte. É muito importante a realização de eventos esportivos na cidade. Estimula a criação de novos craques", disse o jogador de vôlei.

Do alto dos seus 1,82m a niteroiense Raquel Nunes, que aos 12 anos começou a jogar em Niterói e passou para o Clube de Regatas do Flamengo, chegou a participar da seleção de base e foi campeã brasileira na categoria infantil. A niteroiense é vice-campeã da etapa de João Pessoa do Circuito Nacional do Banco do Brasil Nacional 2016/2017, campeã da etapa de Coquinho (Chile) do Circuito Sul-Americano 2015/2016 e terceira colocada do Superpraia 2016 (João Pessoa) entre outros títulos.

" Emocionante jogar nas areias de Niterói, cidade onde nasci e comecei a minha carreira como atleta. Poder contar com a presença, torcida e energia positiva de amigos e familiares nos jogos é muito especial " diz a jogadora Raquel Nunes, niteroiense, que concorre ao Craque da Galera.

Atletas de diversas partes do mundo estarão em Piratininga

Durante a Copa Rio Beach Tênis, moradores e turistas poderão assistir as partidas e ainda ver de perto os melhores do mundo no esporte, entre eles carioca Joana Cortez, e a catarinense Rafaella Miiller, que participarão da competição. Também estarão presentes o maior campeão da história do esporte, o italiano Alex Mingozzi, o ex-número 1 mundial, o carioca Vinicius Font, que formou parceria com Mingozzi quando liderou o ranking em 2014/2015.

São esperados atletas do Brasil, Itália, Argentina, Chile, Alemanha, França, Holanda, República Tcheca, Aruba, Venezuela e Japão.

O torneio que contará também com um treinamento oficial da Seleção Brasileira de Beach Tennis comandado pelo capitão Mark Rodrigues tem o apoio da Prefeitura de Niterói através das secretarias de Esporte e Lazer e Neltur.

Circuito de Surf

A trigésima sétima edição do Circuito ASN de Surf em Itacoatiara, começa no dia três de junho e promete fortes emoções. O campeão do ranking da categoria Open ganhará como prêmio 10 dias de hospedagem no Hidden Bay Resort, no paradisíaco arquipélago das Ilhas Mentawai, na Indonésia. Já o campeão da etapa ganhará um final de semana na Pousada Itamambuca Casa de Praia, em Ubatuba. As competições de 2017 em Niterói começam em junho e vão até novembro pela ASN, com Circuito ASN, Nova Geração e Surf Campeões.

O circuito principal oferece as categorias Open, Master (Acima de 35), Junior (Sub-18), Mirim (Sub-16) e Iniciante (Sub-14). A partir de 2007 a associação também passou a organizar o Circuito ASN Nova Geração. Os melhores surfistas de até 14 anos são divididos em Iniciante (Sub-14), Infantil (Sub-12), Petit (Sub-10), Pré-Petit (Sub-8), Escolinha Feminino e Escolinha Masculino.

Mesmo com a presença de muitos visitantes, os surfistas niteroienses pretendem fazer valer o conhecimento local para levar vantagem nas disputas. Guilherme Sodré, campeão Open em 2014, pretende voltar para a Indonésia e Floriano Pinheiro vem treinando muito em busca da sua primeira vitória. Danilo de Souza, Paulo Renato, Valentino Belga, Pedro Henrique Canero e Caio Knappi são os principais representantes da cidade nas categorias de base.

A ASN anuncia duas importantes novidades para este ano. O circuito principal será móvel para atender um antigo anseio dos competidores niteroienses. A tradicional praia de Itacoatiara continua sendo o palco principal, mas agora Itapuca será um local alternativo, e dependendo das condições do mar o berço do surf niteroiense poderá sediar uma competição, depois de ter ficado de fora do calendário oficial por mais de uma década.

O Projeto Surf Campeões será um evento diferenciado no Canal de Itaipu para atrair os principiantes do esporte ao ambiente das competições, em clima de amizade, confraternização e diversão. As inscrições serão gratuitas, todos vestirão a camisa de lycra, entrarão na água, e no final todos os participantes ganharão sua medalha de campeão.

Etapas

Circuito ASN 2017
1a Etapa: 3 e 4 de junho
2a Etapa: 15 e 16 de julho
3a Etapa: 23 e 24 de setembro

Circuito ASN Nova Geração 2017
1a Etapa: 24 ou 25 de junho
2a Etapa: 8 ou 9 de outubro
3a Etapa: 18 ou 19 de novembro

Projeto Surf Campeões
1a Etapa: 22 ou 23 de julho
2a Etapa: 30 de setembro ou 1 de outubro
3a Etapa: 11 ou 12 de novembro

Projeto Surf Campeões
1a Etapa: 22 ou 23 de julho
2a Etapa: 30 de setembro ou 1 de outubro
3a Etapa: 11 ou 12 de novembro

Itacoatiara Pro VI Campeonato Mundial de Boadyboard

A praia de Itacoatiara que é considerada uma das mais delas do estado receberá entre os dias 14 e 25 de junho cerca de 150 atletas de 25 países. Antes de chegar a Niterói o Circuito passa pelo Taiti. O Pro I terá a presença de grandes nomes do esporte como o atual campeão mundial Pierre Louis Costes, o tri campeão mundial Jeff Haubbard e o hexacampeão mundial Guilherme Tâmega entre outros feras do esporte. Os destaques femininos ficam para Maria Helena Tostes e Paola Simão, ambas já campeãs cariocas.

Fonte: Prefeitura de Niterói