sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Arco Metropolitano revela 70 sítios arqueológicos

Já foram coletados mil fragmentos e peças ao longo dos 71 km da estrada que está sendo construída no Estado por meio do PAC.

Em Seropédica: Além de uma estrutura de ferraria do fim do século 19, bigorna foi resgatada.
Heloisa Aruth Sturm

RIO - Uma das obras mais importantes do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) no Rio, o Arco Metropolitano tem desvendado tesouros escondidos durante séculos sob o solo da região. Ao longo dos 71 quilômetros da rodovia em território fluminense, no trecho entre Duque de Caxias e Itaguaí, já foram localizados cerca de 70 sítios arqueológicos pelo Instituto de Arqueologia Brasileira (IAB). Até o momento, foram coletados cerca de mil peças e fragmentos - total já representa metade de todo o acervo que a instituição mantém sob sua guarda.

"É um projeto de grande amplitude, porque o Rio de Janeiro tem uma característica interessante: se formos daqui a Cabo Frio, teremos, estatisticamente, um sítio arqueológico por quilômetro. E essa pesquisa está mostrando exatamente isso", disse a arqueóloga Jandira Neto, gerente de programas de arqueologia do IAB.

Uma equipe de cerca de 40 pessoas, coordenada pelo arqueólogo Ondemar Dias, presidente do IAB, trabalha no chamado "salvamento arqueológico", que é o resgate das peças encontradas em 66 sítios arqueológicos. Os outros sítios serão mantidos preservados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), já que não se situam na área de impacto direto das obras. "É uma amostra muito significativa em arqueologia hoje." Por exigência do Iphan, todas as grandes obras devem ter acompanhamento arqueológico.

Entre os objetos recolhidos estão 20 urnas funerárias feitas de barro modelado, que foram encontradas no sítio Aldeia Itaguaçu I, uma ocupação tupi-guarani estabelecida há cerca de 2 mil anos. Em uma delas, será realizada uma tomografia para identificar se foi preservada alguma estrutura óssea. Os pesquisadores trabalham com infravermelho e ultravioleta para obter detalhes sobre a coloração e os desenhos que decoram as peças.

Sambaqui

As escavações ocorrem desde 2009, em cinco municípios onde estão as obras da rodovia: Japeri, Seropédica, Duque de Caxias, Nova Iguaçu e Itaguaí. Jandira destaca as escavações feitas em três sítios da região de Duque de Caxias. Em um deles, foi encontrado um sambaqui (espécie de colina resultante da acumulação de conchas, cascas de ostras e restos de cozinha de habitantes pré-históricos) de 6 mil anos.

O sítio Aldeia das Escravas II traz pistas de como a área foi ocupada ao longo de 300 anos e o sítio no bairro do Amapá mostra uma ocupação no período colonial onde é possível identificar o início da interação entre indígenas e europeus. "Ali encontramos uma cerâmica que mostra, no seu tempero, o primeiro contato do homem branco com o indígena." O técnico em arqueologia Leandro Correa disse que esse sítio, perto do Rio Iguaçu, mostrou indícios de que a região teria abrigado ali um antigo porto. Em Seropédica, ainda foi identificada a estrutura de uma ferraria do fim do século 19 e resgatada intacta uma bigorna.

O material encontrado pela equipe nos sítios é bastante diversificado: louças dos séculos 16 ao 20, cachimbos do século 17, tinteiros, frascos de perfume e de remédio do século 19, entre outros. Cada peça traz pistas sobre a forma de ocupação dessa que é uma das regiões mais povoadas do Rio de Janeiro.  

Fonte: Estadão  
-------------------------------------------------  

Assista ao vídeo: Obra do PACdesvenda sítios arqueológicos no Rio

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael.