domingo, 31 de agosto de 2014

Projeto recupera restingas na orla de Niterói


Em Icaraí, há quatro pontos de extensão onde foram introduzidas espécies arbóreas, arbustivas, trepadeiras e rasteiras como pitangueiras e guriri. Fotos: Evelen Gouvêa
 
Em São Francisco, praias receberam projeto em seis pontos de extensão na praia com a restinga protegida
 
Cada praia tem sua peculiaridade, e por isso, espécies e tamanhos diferentes”. Daniel Marques, Secretário de Meio Ambiente



Praias de Charitas e Jurujuba serão contempladas com áreas de preservação da mata nativa no mês de novembro. Moradores estão satisfeitos com ação

Facilitar o controle de espécies com potencial de pragas, evitar a erosão causada pela chuva e reter a areia evitando seu carregamento pelo vento são alguns dos benefícios que o projeto de Restituição das Restingas traz às praias. Em Niterói, muitos locais foram contemplados, como as praias de São Francisco, Piratininga, Camboinhas e Itaipu. Já as praias de Charitas e Jurujuba serão as próximas a serem contempladas.

O secretário de Meio Ambiente, Daniel Marques, adiantou que a previsão de início da implantação do projeto é em novembro.

“Cada praia tem suas peculiaridades e usos e, por isso, com espécies, tamanhos e objetivos diferentes”, explica.

Na Praia de São Francisco, local que já recebeu o projeto, há seis pontos de extensão na praia com a restinga protegida. De acordo com o morador do bairro e frequentador da praia, Alexandro Gonçalves da Silva, de 40 anos, o projeto foi um pedido dos moradores há algum tempo e que agora foi realizado.

“Esse projeto é importantíssimo para a recuperação da mata nativa. A prefeitura e a comunidade têm que andar juntas. A vegetação precisa ser sempre conservada”, opina.

Em Icaraí, há quatro pontos de extensão onde foram introduzidas espécies arbóreas, arbustivas, trepadeiras e rasteiras como pitangueira, guriri e rabo de arara. Na Praia de Itaipu não foi diferente: são 480 metros quadrados de área cercada. Em cada um dos 20 cercados, foram implantadas de 15 a 20 mudas da forrageira ipomeia e uma muda de pitanga, rabo de arara, guriri, aroeira ou cacto rasteiro, totalizando 19 mudas destes tipos.

De acordo com a Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, a Praia de Camboinhas, assim como a Praia de Itacoatiara, é o local onde a conservação da restinga apresenta os melhores resultados.

Compensação – Quando uma empresa é sujeita à multa por crime ambiental, a dívida é abatida com a doação de mudas nativas de restinga e com a contratação de empresa para a implantação da espécie.

Segundo a lei 9605/1998 é crime ambiental destruir ou danificar florestas nativas ou plantadas ou vegetação fixadora de dunas. A pena para aqueles que cometem a infração é detenção de três meses a um ano, além de multa.

Fonte: O Fluminense




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael.