terça-feira, 3 de março de 2015

Vídeo mostra como país monitora riscos de desastres naturais


Material lançado pelo INCT para Mudanças Climáticas é voltado a educadores, estudantes e formuladores de políticas públicas (imagem: reprodução/INCT-MC)


Agência FAPESP – O Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Mudanças Climáticas (INCT-MC) lançou um vídeo educacional –voltado a educadores, estudantes de ensino médio e de graduação e formuladores de políticas públicas – sobre os sistemas de monitoramento de desastres naturais e prevenção de seus impactos.

O vídeo traz informações sobre as causas do aumento no número de desastres naturais e sobre como o país se prepara para prevenir e reduzir os prejuízos nos diversos setores da sociedade.

Pesquisadores do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) demonstram como é feito o monitoramento de áreas de risco 24 horas por dia. O vídeo também mostra como os desastres interferem e prejudicam a vida das pessoas e como se deve evitar o surgimento de novos cenários de risco.

Até junho, outros cinco vídeos educacionais deverão ser concluídos, abordando temas relacionados às pesquisas do INCT: segurança alimentar, segurança energética, segurança hídrica, saúde e biodiversidade.

O material faz parte do projeto de difusão do conhecimento gerado pelas pesquisas realizadas em seis anos de vigência do INCT-MC (2008-2014), sediado no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e que conta com apoio da FAPESP e do CNPq.

Esse conhecimento também está sendo reunido em um portal na internet, que deverá ser lançado no primeiro semestre de 2015. O INCT-MC envolve mais de 90 grupos de pesquisa de 102 instituições e universidades brasileiras e estrangeiras, com cerca de 300 participantes.

O vídeo educacional pode ser visto em https://vimeo.com/119340038 e em https://www.youtube.com/watch?v=1DNm3eGZC-w&feature=youtu.be.

Mais informações sobre o INCT-MC em http://inct.ccst.inpe.br/

Fonte: Agência FAPESP


---------------------------------------------------------


Leia também:

EXTREMOS CLIMÁTICOS DEVEM OCORRER COM MAIS FREQUÊNCIA E INTENSIDADE EM SÃO PAULO









Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael.