quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Rivais vêm à Copa Brasil de Vela para 'espiar' a Baía de Guanabara


Estrangeiros e brasileiros se juntam na Copa Brasil de Vela (Foto: Reprodução/ SporTV)


Americanos, israelenses, argentinos e britânicos aproveitam competição para conhecer o local da modalidade nas Olimpíadas do Rio em 2016

A Copa Brasil de vela começou nesta terça-feira, na praia de São Francisco, em Niterói, e está cheia de convidados. Na verdade, “espiões”. Os gringos estão presentes na primeira competição do calendário olímpico nacional de 2014. Americanos, israelenses, argentinos e britânicos se juntaram aos donos da casa. Eles deixaram o inverno no Hemisfério Norte não só em função do sol, mas porque a Baía de Guanabara é o local oficial de competições das provas de vela nas Olimpíadas de 2016. O evento é a oportunidade de velejar nessas águas (assista ao vídeo).

- Os britânicos atualmente são a melhor equipe do mundo. Então, é muito legal eles virem aqui no começo do ano para ver o parâmetro que a gente está - destaca o vice-campeão olímpico Bruno Prada, que busca uma vaga na Finn contra o seu amigo e pupilo Jorge Zarif, atual campeão mundial nas categorias Júnior e Sênior.

- Para eles serve muito, a vela tem muito disso, de aclimatação, de saber bem como se comportam as correntes do lugar que você vai velejar e como se comportam os ventos. Então, esses times que já estão vindo, o inglês, o holandês e o francês vão ter uma vantagem em relação ao pessoal que vai vir mais em cima. Vão ter uma vivência muito maior aqui no Rio - ressalta Zarif.


Copa Brasil de Vela acontece na praia de São Francisco, em Niterói (Foto: Reprodução/ SporTV)

Os representantes do país que sediou os últimos Jogos, em 2012, pretendem passar 60 dias no Brasil, entre idas e vindas.

- Nós queremos que nossos velejadores se sintam bem no Rio de Janeiro. É uma cultura diferente da que estamos acostumados na Grã-Bretanha, o clima é diferente, o local para velejar também, assim como as acomodações, a comida e as pessoas. Velejar é um esporte onde o ambiente é importante. É preciso entender o vento, as correntes, a geografia e é preciso muito tempo para entender tudo isso - conta Stephen Park, chefe da delegação britânica.

- Vir aqui e observar de que maneira as ondas e as correntes se comportam na Baía é muito importante para nós. Temos cerca de dez dias para velejar aqui e descobrir como tudo funciona - diz o velejador inglês Andrew Mills.

Diferente dessa época, os Jogos Olímpicos serão realizados em agosto. Com a diferença de data e de condições climáticas, o teste feito somente agora é menos eficiente para os “espiões”.

- Em janeiro e fevereiro, o vento é muito mais forte do que em julho e agosto, então eles precisam vir em agosto se quiserem estar mais bem preparados, mas a gente não vai falar isso para eles - brinca Jorge Zarif.

A competição começou nesta terça-feira, e no dia 11 será disputada a “medal race”, a regata da medalha, em que participam apenas os dez melhores colocados de cada classe.

Fonte: SporTV

------------------------------------------------------

Saiba mais sobre a COPA BRASIL DE VELA em:

COPA BRASIL DE VELA, em Niterói: fotos do Fred Hoffmann do primeiro dia de regata
COPA BRASIL DE VELA: fotos de Fred Hoffmann da cerimônia de abertura
Velejadores de Niterói começam bem na Copa Brasil
Campeões mundiais e olímpicos disputam Copa Brasil de Vela em Niterói
Copa Brasil de Vela reúne ídolos em São Francisco
Robert Scheidt estreia na temporada 2014, amanhã, em Niterói, na Copa Brasil de Vela
COPA BRASIL DE VELA: Líder do ranking mundial, Martine Grael está ansiosa para competir em casa
Bons ventos trazem esportistas para Niterói
COPA BRASIL DE VELA: Niterói sedia o primeiro evento de classes olímpicas de 2014
COPA BRASIL DE VELA: em janeiro, Niterói receberá elite da vela na Praia de São Francisco


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael.