domingo, 31 de agosto de 2014

Niterói será a primeira cidade da América Latina a adotar sistema BHLS


Veja detalhes do projeto. Foto:  Arte: O Dia


Projeto com ônibus nos moldes europeus irá economizar tempo e proporcionar mais conforto para os niteroienses

Maria Inez Magalhães

Niterói - Pioneira no uso da biometria no transporte público no estado, Niterói sai na frente mais uma vez em termos de mobilidade urbana, um dos principais problemas do país. A cidade será a primeira da América Latina a implantar o BHLS (sigla em inglês para ônibus de serviço de alto nível). Orçado em R$ 310 milhões, o projeto é um dos maiores empreendimentos no setor da história da cidade. O modelo começou a ser usado na Europa em 1980.

No novo esquema, os ônibus são menores e mais baixos, refrigerados, com portas nas laterais e podem até ter wi-fi. Além de mais conforto, o BHLS permite mais agilidade no trânsito devido a um sistema especial de sinalização que prolonga o tempo do sinal à medida que o veículo vai se aproximando.

Outra particularidade é que os ônibus do BHLS podem circular tanto pelos corredores exclusivos do BRT quanto por outras vias. “Isso tem por objetivo levar o serviço aos bairros que não estão no entorno imediato do corredor, evitando também o transbordo para outras regiões”, explica o Subsecretário de Urbanismo e Mobilidade de Niterói, Renato Barandier.

O trajeto será feito pela TransOceânica, que ligará Charitas ao Engenho do Mato. A via expressa terá 9,3 quilômetros de extensão e um túnel de 1,3 quilômetro ligando Cafubá a Charitas. O BHLS vai proporcionar a integração tarifária e operacional com outros modais como a estação aquaviária de Charitas.


Apresentação dos bilhetes na estação diminui o tempo do embarque. Foto:  Divulgação

 
Outra novidade é que o embarque será nas 13 estações, a serem construídas no corredor exclusivo e onde serão feitas a bilhetagens.
O tempo estimado do trajeto entre a primeira e a última estação é de 25 minutos e a tarifa, segundo Barandier, será a mesma do ônibus convencional. Na Europa, há veículos com wi-fi, tomadas e TV.
 
“Até agora, o planejamento foi direcionado à implantação e operação do sistema. A partir do início das obras, os detalhes sobre itens de conforto dos ônibus passarão a ser discutidos”, garante o subsecretário. 

“A diferença entre esses sistemas é que o BRT é voltado para as pessoas que usam o transporte de massa e o BHLS para aqueles que usam os transportes individuais. O Brasil carece de maior qualidade de transporte público e Niterói pode espalhar essa boa prática. É uma atitude louvável”, elogia o engenheiro de transportes da Embarq Brasil, Guillermo Petzhold.

Empresários cobram mais informações

Para o BHLS, a frota inicial será de 30 ônibus, cada um custa cerca de R$ 800 mil. No entanto, empresários do setor estão preocupados, e não sabem quanto terão que gastar com a novidade.

Eles alegam que não tiveram acesso a detalhes do projeto. Em maio, eles tiveram que desembolsar R$ 17 milhões para renovar a atual frota da cidade.

O transporte individual é o meio de locomoção mais usado pelos moradores da Região Oceânica. Segundo a prefeitura de Niterói, 39% dos domicílios da área usam o carro como meio de transporte contra 23% de outras localidades. 

Já os ônibus são usados por 50% das pessoas contra 55% de outras localidades. E 3% andam de moto contra 1% de outras áreas. 

A TransOceânica vai transportar, por dia, 78 mil passageiros, beneficiando 11 bairros da Região Oceânica, num total de 68.697 habitantes.


Fonte: O Dia Niterói


------------------------------------

SAIBA MAIS SOBRE A TRASOCEANICA:

Licença ambiental da TransOceânica é aprovada pela CECA
Acertos finais: Transoceânica a um passo de virar realidade
Prefeitura debate projeto da TransOceânica com moradores da Região Oceânica
INEA aceita o estudo de impacto da TransOceânica
TransOceânica: Projeto já foi entregue para a CEF. Obras começam no segundo semestre.
2014: o ano destinado as obras da TransOceânica
TransOceânica: entrevista do prefeito Rodrigo Neves ao BOM DIA RIO
TRANSOCEÂNICA: início de um novo tempo na mobilidade de Niterói
Vídeo: Apresentação da TransOceânica aos vereadores na Câmara Municipal de Niterói
Verena Andreatta detalha o projeto da TransOceânica
Prefeito Rodrigo Neves sanciona Lei da TransOceânica
TRANSOCEÂNICA: CÂMARA AUTORIZA PEDIDO DE EMPRÉSTIMO PARA MOBILIDADE URBANA
AXEL GRAEL E SECRETÁRIOS EXPLICAM PROJETOS DE MOBILIDADE NA CÂMARA DE VEREADORES
VLT Charitas-Centro: Prefeitura de Niterói avança na agenda da mobilidade sustentável



LEIA TAMBÉM:

CICLOVIAS: OS AVANÇOS DO PROGRAMA NITERÓI DE BICICLETA


PROJETOS DE MOBILIDADE EM NITERÓI

  • TransOceânica
TCE aprova edital de licitação da TransOceânica
Licença ambiental da TransOceânica é aprovada pela CECA
Acertos finais: Transoceânica a um passo de virar realidade
Prefeitura debate projeto da TransOceânica com moradores da Região Oceânica
INEA aceita o estudo de impacto da TransOceânica
  • VLT
VLT Charitas-Centro: Prefeitura de Niterói avança na agenda da mobilidade sustentável

Outros temas correlatos:
Niterói ganhará novo mobiliário urbano a partir de maio
BH deve chegar a 100 km de ciclovias até o fim do ano
Custo de congestionamentos no RJ e em SP atinge R$ 98 bi
Cidade da Califórnia transforma vagas de carros em microparques e espaços para bicicletas
Estudo mostra que cidade do Rio terá um carro para cada dois habitantes até o ano de 2020
Venda de bicicletas já ultrapassa a de automóveis na maioria dos países da Europa
Uso da bicicleta aumentou 85% no Rio nos últimos oito anos
Bairro na Coreia fecha ruas para carros por um mês para testar "cidade do futuro".
História das bicicletas e ciclovias de Copenhague
Britânicos pretendem tornar carros obsoletos em 2030: 80% dos deslocamentos serão a pé ou de bicicleta
Entrevista: Zé Lobo explica como a bicicleta transformará o centro do Rio
História das ciclovias holandesas
Carros saindo de cena?
Copenhague: a cidade da bicicleta
Especialistas debatem o problema da mobilidade nas grandes cidades brasileiras. (Vídeo)
Manual “Segurança para Pedestres” é lançado no Brasil
Salvando vidas com transporte sustentável
Por que a Suécia tem tão poucas mortes no trânsito
Enquanto União Europeia reduz mortes no trânsito, Brasil perde mais vidas
Abertura da Semana Nacional Educativa de Trânsito
Urban Density and Sustainability
Desaceleração deve ser tendência nos grandes centros do século 21



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael.